sexta-feira, 22 de julho de 2011

Opinião - Despertar do Crepúsculo

Autor: Anne Bishop
Editora: Edições Saída de Emergência
Número de páginas: 400

Sinopse:
Prendas de Winsol 
Daemon, Príncipe dos Senhores da Guerra de Joias Negras de Dhemlan, está ainda a adaptar-se ao seu primeiro ano de casado com a sua Rainha Feiticeira, Jaenelle. Porém, com a aproximação da celebração do Winsol que se prolonga por treze dias, Daemon tem de lidar com demasiadas solicitações ao mesmo tempo que se assume como anfitrião da sua admirável família.

Cambiantes de Honra
 

Ainda a recuperar da provação que a deixou ferida e furiosa, Surreal regressa a Ebon Rih sob as ordens do Príncipe Lucivar. Quando o seu antigo amante Falonar desafia impiedosamente a autoridade da família à qual ela pertence, Surreal poderá, por fim, sucumbir às trevas que ardem no seu âmago.

Família
 

Quando alguém arma uma cruel cilada à Rainha Sylvia e aos seus filhos, as sequelas consomem por completo as vidas da família reinante de Dhemlan. Terão de desvendar a identidade do Senhor da Guerra conhecido somente como Sem Rosto antes que regresse para terminar o que começou.

A Filha do Senhor Supremo
 

Após a perda das duas pessoas mais importantes da sua vida, Daemon assumiu o papel de seu pai, Saetan, como Senhor Supremo do Inferno, construindo um muro em redor do seu coração. Porém, ao estabelecer inadvertidamente uma nova relação, bastará ela para o libertar da sua vida desprovida de amor?


Opinião:
Confesso que esta é a opinião mais difícil que fiz até hoje. O mundo das Jóias Negras tornou a sua escritora a minha preferida e as suas personagens são como "velhos amigos" que eu vou adorar até ao resto dos meus dias sendo me impossível imaginar que este foi o último livro (pelo menos por uns bons tempos). Não interessa porque a história não vai voltar a ser a mesma e para mim esta é a definitiva despedida às minhas Jóias tal como as conheci. E, acreditem, eu quero mesmo acreditar no "até já".
Com este livro é o meu lado sentimentalista que vem ao de cima e não consigo especificar os vários sentimentos que me assaltaram ao longo desta leitura, só posso dizer que foram bastante contraditórios. Que ele é único e imprevisível, isso podem ter a certeza mas acho que nunca vou puder especificar se o amei ou se o odiei e isso lembra-me porque é que a história destas personagens se tornou parte da minha vida e tomou um lugar especial na minha estante. Nunca conseguiria prever que Bishop tomasse este rumo mas lá está, foi sempre isso que eu adorei nela. A sua escrita magnífica e ter criado este mundo e estas personagens com tal mestria que me conquistaram o coração à primeira. Agradeço-lhe por isso todos os dias.
 Os dois primeiros contos trouxeram uma saudade imensa, os dois últimos levaram as minhas emoções ao rubro, acho que nunca senti tanto na leitura de um livro. É a maneira como a história é contada, as relações familiares e de amizade que se criaram através de tão inimagináveis situações, a complexidade de todos aqueles que fizeram parte deste mundo, é a maneira como Anne nos arrasta e agarra a cada palavra. Faz-nos sorrir, chorar, rir e sentir ódio e raiva até ao âmago e nunca nos aldraba, conta-nos a verdade nua e crua. Estes quatro contos transmitem o espírito que os caminhos de Jaenelle, Saetan, Daemon, Lucivar, Surreal, e todos os outros, nos deram, "tudo tem um preço".
Talvez já fosse um aviso que nada seria como estivéssemos a espera. Talvez tivesse mesmo de acabar assim. Não sei, o que eu sei é que nada substituirá este mundo no meu coração.

"Que as Trevas sejam misericordiosas"

7/7

Sem comentários:

Enviar um comentário