sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Divulgação - Novidades ASA


Recriar pode ser importante para manter a história viva

Sinopse:
Estou com medo. Com medo de cair e não conseguir parar. Com medo de nunca vir a fazer amor com uma rapariga. Com medo de ser cobarde. Com medo de estarmos encurralados. Com medo de podermos ser apanhados. Com medo de que seja o meu fantasma que ali está parado, à minha espera ao fundo das escadas. Que seja só isto – tudo o que resta da minha vida.”
Petervan Pels e a família estão escondidos com os Franks, e Peter vê tudo com um olhar diferente. Como será ser-se obrigado a viver com Anne Frank? Odiá-la e depois dar por si apaixonado por ela? Saber que se é tema do seu diário dia após dia? Como será ficar sentado à espera, olhar por uma janela enquanto outros morrem e desejar estar a combater?
O diário de Anne termina a 4 de Agosto de 1944, mas, nesta história imaginada, a experiência de Peter continua para além da traição e chega aos campos de extermínio nazis.
“Está aí alguém?”, pergunta ele. “Está alguém a ouvir?"
Nós devíamos estar.

Biografia:
Sharon Dogar nasceu em Liverpool, no ano de 1962. É psicoterapeuta de crianças e vive em Oxford com a família. Descobriu o diário de Anne Frank quando era criança e, de novo mais recentemente, quando a filha começou a lê-lo.
Durante a pesquisa e a escrita deste livro, a autora passou várias horas a absorver a atmosfera do Anexo.
Este é o seu terceiro romance para jovens-adultos, que segue os títulos Waves (2007) e Falling (2009).


Sharon Dogar acredita que eles tiveram uma relação, que ele gostou dela … e você, quer formar uma opinião pessoal e voltar a reviver esta história?


Sem comentários:

Enviar um comentário