terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Opinião - Presságio de Fogo

Título Original: The Firebrand
Autor: Marion Zimmer Bradley
Editora: Difel
Número de páginas: 564

Sinopse
 Neste livro a autora reimaginou a história da Guerra de Tróia e reconta-a do ponto de vista de Cassandra, a bela e atormentada princesa real de Tróia.
Na sua brilhante recriação da famosa lenda, a queda de Tróia desenrola-se de uma nova e ousada maneira a partir do julgamento de Páris, do rapto de Helena (esta não sendo aqui a perversa adúltera da lenda, mas sim uma mulher afectuosa e dedicada a Páris e aos seus filhos), e do levantamento dos exércitos gregos por Agamemnon, cunhado enfurecido de Helena, até à tragédia final da destruição da cidade, predestinada pelos deuses e pelo obstinado orgulho dos seus líderes masculinos.
A heroína deste conto épico é Cassandra, e a poderosa tensão do romance deriva tanto da luta interna, por ela travada, com as suas próprias lealdades divididas (visto que a sua lealdade ao pai, o rei, e aos irmãos é contraposta à sua submissão crescente à fé mais antiga no Matriarcado e na Terra-Mãe), como do amargo conflito entre Troianos e Gregosm no qual prevê fantasmagoricamente a destruição ou a maldição do tudo que lhe é querido, visto ter o poder da profecia.


Opinião 
 Quem não conhece Marion Zimmer Bradley? Quem não ouviu falar da sua forma de recontar uma história conhecida à sua maneira e torná-la única? Quase ninguém, em todo o mundo. Mesmo para quem não tenha lido a sua obra esta senhora da fantasia e do movimento feminista não é desconhecida. Há anos que ouço falar dela e quero ler a sua obra.
E quando as oportunidades surgem há que agarrá-las. Foi o que eu fiz quando o meu professor de Religião e Mitologia Grega nos pediu para fazer um trabalho sobre a recepção de um mito numa forma de cultura e me propôs tratar da Guerra de Tróia na perspectiva deste livro. Não vos vou contar a figura de parva que fiz à frente do professor e no meio do corredor. E tanta euforia porquê? Porque finalmente ia poder lavar a cara da vergonha e ler Marion Zimmer Bradley e porque ia fazer um trabalho sobre um dos meus temas preferidos de sempre: a Guerra de Tróia.
Apesar de tanto entusiasmo, demorei algum tempo a ler este livro visto que tive exames pelo meio e à medida que o ia lendo tinha de tirar apontamentos para o trabalho e tal pois a verdade é que tinha de ter o dobro da atenção a ler este livro. Até que perdi a cabeça e o li de rajada. Não consegui evitar. O problema é que mesmo assim não consegui deixar de ser uma leitora que já estudou este assunto de todas as perspectivas e foi ensinada a analisar esta história de uma forma crítica e objectiva. O que não me permitiu gostar tanto do livro como eu queria.
Tal como a Marion nos diz nos Agradecimentos, a mim também não me satisfaz a Íliada ou a Odisseia ou todas as tragédias gregas que falam sobre o assunto e que nos permitiram conhecer os pormenores da Guerra mais famosa de sempre. Este é um tema sobre o qual a minha mente não se farta e sobre o qual eu quero sempre saber mais. Mas não posso esquecer tudo aquilo que aprendi nas aulas ou o que li.
A verdade é que se eu tivesse lido este livro à três, quatro anos atrás, teria amado o livro até a exaustão. Hoje não consigo. E passo a explicar porquê. Estes não são os heróis que eu conheço das epopeias. Falta-me os momentos dramáticos e intensos, falta-me a honra, o orgulho, a sede de amor e poder que esta história nos transmite. Falta-me a magnitude e beleza das grandes histórias que foram transmitidas durante séculos.
Contudo, admito que este é um romance, mesmo tendo a escritora alterado muitos factos que me deixaram ultrajada, escrito de uma forma única e com uma protagonista sobre a qual eu sempre tive curiosidade: Cassandra. Eu nunca vivi bem com o facto de ela ser a única a ver a realidade desta guerra e ser uma das personagens mais esquecidas por todos. Ela foi um dos pontos altos deste livro e devo admitir que a escritora tem um talento soberbo para criar personagens femininas. Também a forma como nos conta esta história tão conhecida é bela, de uma visão, mais uma vez única, e que vale a pena ser lida.
Mas não consigo deixar de pensar que Marion relegou para segundo plano ou transformou em autênticos “homens das cavernas” os heróis por excelência de toda a literatura ocidental. A morte de Heitor foi uma facada no meu coração. Passa por nos completamente despercebida! Como é possível? O Odisseu não é o nosso Odisseu das patranhas e dos mil ardis. Onde está o amor intemporal de Andrómaca e Heitor, que protagonizaram o primeiro momento de amor romântico da literatura? O seu amor só é notado no sofrimento dela após a morte dele! Sem falar noutras coisas que me deixaram realmente desfeita com esta versão.
Desculpem o sentimentalismo desta opinião, que é a minha. Não posso relegar, apesar disto, a contadora de histórias que Bradley, e aconselho mesmo assim esta obra a quem gostar desta escritora e a quem não ligar a estes pormenores que para mim foram tão essenciais. E espero muito em breve ler As Brumas de Avalon e, quem sabe, recomeçar com esta grande senhora da Fantasia.

5*

10 comentários:

  1. ah... como te compreendo. Mas comigo é ao contrário. Li a Ilíada e a Odisseia em versão juvenil, depois li o presságio de fogo e apaixonei-me. Só depois comecei a ler as versões originais e dicionários e mitologia e basicamente sentia-me ultrajada pela forma como algumas personagens são apresentadas. Quando vi o filme, então, ia-me dando uma coisinha má. E acontece-me exactamente o mesmo com as Brumas de Avalon... ver a Morgaine (ou Morgan le Fay) como bruxa má é uma facada no coração. Como li primeiro as versões da MZB sou muito, muito parcial.

    ResponderEliminar
  2. Patrícia, acerca do assunto da Guerra de Tróia, um livro que está muito bom é o "Helena de Tróia" da Margaret George, editado pela Saída de Emergência em dois volumes.
    Quanto as "Brumas de Avalon" espero lê-las, finalmente, para o ano. Veremos se me agradam mais...

    ResponderEliminar
  3. Como eu amo esta autora! E como gostava de fazer trabalhos que envolvessem ler obras dela!
    Infelizmente ainda não li este livro, que tenho religiosamente guardado na prateleira. Quem sabe será o próximo?
    Mas uma coisa é certa, acicataste-me a leitura!
    E "As brumas de Avalon" são, sem dúvida, a melhor obra dela. Vai a correr ler!!!!

    ResponderEliminar
  4. Mar, estou a espera que a SdE as reedite! Assim que sair compro, prometo-te!

    ResponderEliminar
  5. Segundo vi por aí, deve sair em 2012. Eles obviamente vão começar pela edição das Brumas, embora a Safaa (creio que foi ela e não estar a confundir ninguém) tenha dito que planeavam editar alguns volumes de Darkover *brilhozinho nos olhos*

    Eu como tenho as edições da Difel de capa meio branca (aquelas bem velhinhas) não devo comprar, mas se as capas forem tão bonitas como é costume, bem que vai ser uma tentação!
    É quase como Harry Potter e as capas lindas de qualquer nova edição. Quero tudo!XD

    ResponderEliminar
  6. Nem me falas nas capas do Harry Potter ;_; apesar que gosto muito das velhinhas =)

    É isso é! O primeiro sai em Fevereiro! Epa estou farta de ouvir falar nessa saga mas não conheço *shame on me*

    ResponderEliminar
  7. Comentário só para dizer que eu babo-me toda com o Eneias...

    I know... But I can't help it!

    ResponderEliminar
  8. Loool eu é pelo Heitor, mas a Marion faz dele um troglodita -.-'

    ResponderEliminar
  9. Quando eu me decidir a ler a Ilíada talvez babe pelos 2 e está o problema resolvido!

    Mas até que nem faz. Vá, comparado com o Páris ou o Aquiles, o Heitor até que é bem simpático.

    ResponderEliminar
  10. Pois mas mesmo assim ainda não me enche as medidas! E ele na Ilíada tem um momento tão bonito com a Andrómaca *.*

    ResponderEliminar