segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Opinião - Doce Vingança

Título Original: Miranda's Big Mistake
Autor: Jill Mansell
Editora: Saída de Emergência
Número de Páginas: 368


Sinopse
 Miranda conhece Greg numa festa. Ele é bonito, divertido e descomprometido. Tudo o que uma rapariga precisa para dar emoção à sua vida. Céus, ele é praticamente perfeito! Claro que Greg não lhe contou que acabara de abandonar a mulher grávida... E quando a jovem socorre um sem abrigo na rua, mal sabe ela que está na verdade a participar numa experiência de televisão com o jornalista Daniel Delancey, que se delicia a transtornar a vida de Miranda. Um dia, um acaso leva-a ao encontro da mulher de Greg, e assim Miranda conspira a sua vingança e jura não confiar mais nos homens. Mas um encontro fortuito com o piloto de corridas Miles Harper convence-a de que talvez nem todos os homens sejam como Greg...

Opinião 
 Considerada a rainha do chick-lit, Jill Mansell é autora de vários livros bestsellers e já vendeu mais de três milhões de cópias. As suas comédias românticas arrancam gargalhadas e através das situações mais caricatas, faz as suas personagens andarem numa roda viva até chegarem ao seu merecido final feliz. Doce Vingança não é excepção, e promete-nos uma aventura atribulada, cheia de encontros e desencontros, paixonetas e amores eternos, tudo isto em redor do “desastre” em pessoa, Miranda, a protagonista maluquinha e desastrada.
Depois de ter andado numa grande indecisão para ler este livro, lá o pedi emprestado à tia mais nova, decidida a que fosse desta que me estreasse nesta escritora. Não tinha quaisquer expectativas, aliás, a vontade para ler esta autora nunca foi muita mas como até tinha um exemplar à mão, e ler mais um livro não faz mal a ninguém, Jill ganhou finalmente direito a ser lida pela minha pessoa.
A minha primeira impressão, depois de trinta páginas, foi de confusão e total aborrecimento, o que fez com que estivesse uns dois dias sem lhe pegar para depois o ler com muito mais calma. Porquê esta impressão inicial? Superficial. Foi a primeira palavra que me veio a cabeça para descrever as primeiras personagens, a acção, os próprios diálogos com que me deparei. Havia ali algo que me estava a repelir mas não ia desistir logo no início! E uma das razões porque não o fiz, foi a maravilhosa da Florence! Quando consegui, um domingo a tarde, sentar-me para ler o resto, li-o todo seguido, quase sem paragens. Espantoso não é?
As desgraças e atribulações eram tantas que eu não conseguia parar de rir. Acontece de praticamente tudo neste livro, como é que é possível? Os momentos hilariantes, a sequência de acontecimentos completamente prováveis e ridículos, demonstram-nos como as situações do dia-a-dia podem levar rumos completamente inesperados, alterando para sempre toda uma vida. Este é para mim, o ponto mais positivo da escrita de Mansell, consegue nos proporcionar uma tarde bem passada, a meio dos exames, com umas boas gargalhadas. Quando me quiser animar, já sei o que ler.
Depois, temos o leque de personagens mais loucas e genuinamente trapalhonas e desastradas que alguma vez vi! Depois de me ter habituado a forma da escritora nos ir relatando as peripécias do grupinho, consegui fazer as pazes com eles mas mesmo assim, as vezes dava-me um ataque de nervos e uma irritação profunda. Como por exemplo, eu ter percebido como aquilo ia acabar logo nas primeiras páginas e a escritora dar um milhão de voltas a história para acabar exactamente dessa maneira. Divertido mas muitas vezes exagerado.
Se fosse um nadinha mais curto se calhar tinha gostado mais. É que o Denny e a Miranda podiam ter mais cenas juntas se não estivesse lá o Miles, que foi a meu ver, completamente dispensável. Definitivamente, eu teria gostado de ver mais vezes o Denny em acção. Tal como os romances relâmpago da Bev e da Chloe. Foi tudo tão atribulado para depois saber a pouco.
Muito possivelmente, foi por eu não ter engraçado com o livro a primeira. Uma pena, uma vez que hoje são raros os livros que nos permitem rir e esquecer os problemas por umas horas. Mas pode ser que haja uma oportunidade para ler outro livro de Jill e que corra melhor, afinal, não se diz que não a alguém que nos dá momentos divertidos. Vamos ver, qual será a vontade…


5*

2 comentários:

  1. Adoro Jill. Não leio muito comédias românticas mas as desta autora são imprescindíveis para mim. Tenho este para ler e quero ver se lhe pego em breve. Até agora o meu favorito foi o último publicado, "Pura Malícia" :)

    ResponderEliminar
  2. Eu ainda não estou convencida. Percebo porque há tanta gente a gostar dela mas preciso de ler outro para formar uma opinião melhor. Se calhar experimento esse!=)

    ResponderEliminar