quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Opinião - O Nome do Vento

Título Original: The Name of the Wind (#1 The Kingkiller Chronicle)
Autor: Patrick Rothfuss
Editora: Gailivro
Número de Páginas: 966


Sinopse
 Da infância como membro de uma família unida de nómadas Edema Ruh até à provação dos primeiros dias como aluno de magia numa universidade prestigiada, o humilde estalajadeiro Kvothe relata a história de como um rapaz desfavorecido pelo destino se torna um herói, um bardo, um mago e uma lenda. O primeiro romance de Rothfuss lança uma trilogia relatando não apenas a história da Humanidade, mas também a história de um mundo ameaçado por um mal cuja existência nega de forma desesperada. O autor explora o desenvolvimento de uma personalidade enquanto examina a relação entre a lenda e a sua verdade, a verdade que reside no coração das histórias. Contada de forma elegante e enriquecida com vislumbres de histórias futuras, esta "autobiografia" de um herói rica em detalhes é altamente recomendada para bibliotecas de qualquer tamanho.

Opinião

Com quase mil páginas, este é um livro que promete arrebatar-vos através de uma lenda sem precedentes. Considerado “a” bomba lançada no panorama fantástico dos últimos anos, deu ao seu escritor, Patrick Rothfuss, estatuto para ser comparado a grandes nomes da Fantasia como George R. R. Martin. Fala-se em O Senhor dos Anéis e Harry Potter mas a sua premissa por si só, basta para pôr qualquer fã de histórias épicas a “salivar” por mais.
Só há alguns meses é que ouvi falar neste livro e na altura achei que era o tipo de leitura que me ia agradar. Comprei-o, passado pouco tempo mas o seu tamanho e a falta de tempo para ler tal calhamaço fez com que o guardasse para o início deste ano, quando iria ter mais tempo. E assim foi. O problema é que tive um desgosto logo nas primeiras páginas, visto que ao virar uma página ia ficando com ela na mão (as primeiras dez páginas estão meia soltas neste momento) e deparei-me com as tais margens e letra gigante de que todos já se queixaram, o que me pôs logo mal-disposta porque dar vinte euros por um péssimo trabalho não é algo que agrade a ninguém! Portanto, foi meio irritada que me iniciei no relato de Kvothe.
A verdade é que passadas trinta páginas, já nem me lembrava da folha meia solta. Fiquei tão absorvida pelo ritmo cadenciado das palavras do estalajadeiro que só levantei os olhos do livro passadas umas duas horas e só conseguia perguntar a mim mesma como é que este livro se tinha escapado do meu radar durante tanto tempo!
A forma como Rothfuss nos apresenta as Crónicas de Kvothe é a de um contador de histórias que não gosta que nada fique por contar e que pode surpreender-nos a qualquer um momento. Cada aventura, cada desafio, é nos relatado de uma forma musicalmente brilhante que nos deixa rendidos a cada palavra. . Chegar ao fim de quase mil páginas e depararmo-nos com o facto de que ainda falta tanto para descobrir é quase de levar uma pessoa ao desespero.
Acompanharmos o crescimento de Kvothe, passo a passo, por entre as suas vitórias e derrotas, deixando-nos conquistar pelo seu relato e pelos seus momentos de transtorno, ansiando para que ele continue e nos conte mais e mais, é um dos factores que me fez ficar rendida a este livro. O próprio Kvothe é o outro. Tentar discernir como é que o rapaz que conhecemos neste primeiro volume se torna a personagem lendária de que o estalajadeiro fugiu é uma das razões porque somos levados a devorar este enormíssimo calhamaço sem nos cansarmos. Complexo, misterioso, inesperado, são alguns dos adjectivos que pudemos usar para classificar o protagonista deste livro que com uma voz única nos conta a verdadeira versão por trás do mito.
Juntando a isto, uma série de personagens interessantes cheias de segredos e muitos risos, este é um início fabuloso para uma trilogia que já está a dar que falar. Espero que as personagens femininas ganhem mais destaque no próximo livro porque apesar de ter gostado da Denna, gostava de ver um bocado mais da Auri, da Fela ou da Devi. Mas a personagem que me deixou mesmo curiosa foi o Elodin. Ele é completamente insano, o que só nos faz pensar no que será que ele esconde…
Independentemente de como vai isto acabar, uma coisa é certa, Rothfuss tem a voz dos trovadores antigos na sua escrita, das velhas canções, dos contos populares. E apesar de ter achado que estas quase mil páginas nos contaram pouco e que ele podia ter acelerado um bocadinho, posso dizer que foi uma leitura descomunal. E que espero muito mais do próximo.
Resumindo, é a obra que ganha contornos épicos e que promete deixar-nos totalmente rendidos. Se vai ou não ser algo digno das maiores obras da Fantasia, ainda não sei, mas que me enche de satisfação tê-lo lido é uma certeza.

7*

12 comentários:

  1. Ai, homónima, estou super contente de saber que amaste o livro! :D É um dos meus favoritos de sempre, dentro do género fantástico, e acho o livro simplesmente espectacular na forma como o autor conseguiu expressar tantas e tão diferentes e peculiares personalidades. E o Elodin é tipo, bestial! Estou desejosa de saber os seus “segredos”. :)

    ResponderEliminar
  2. Gostei tanto tanto tanto que só me apetece ir buscar "O Medo do Homem Sábio - parte 1" já amanhã *.*
    É mesmo espectacular, adorei tudinho! O Elodin faz-me lembrar o Dr. House o.O

    ResponderEliminar
  3. Já tinha lido coisas muito positivas sobre este livro. A tua opinião veio confirmar que o livro é realmente bom!
    É mais um para a minha lista! :p

    ResponderEliminar
  4. já o tenho em wishlist à uns mesinhos mas ainda não tive oportunidade :/

    ResponderEliminar
  5. Kel, é muito bom mesmo, tu é te esqueces do tamanho dele enquanto lês!=p

    Catarina, deves pegar-lhe quando sentires mesmo vontade de o ler para o puderes apreciar ;)

    ResponderEliminar
  6. vontade eu tenho, dinheiro é que nem por isso :| talvez o compre em inglês depois de despachar uma ou duas séries que estou a seguir :)

    ResponderEliminar
  7. Já li o livro à algum tempo, mas tambem gostei muito.

    A continuação é a minha leitura atual, vou começar hoje o Medo do Homem Sábio, parte II e devo dizer que adorei a parte um.

    Em certa medida Kvothe faz-me lembrar FtizCavalaria, a vida cruel, o estarem sempre metidos em trapalhadas LOL, não querendo spoliar muito só vos digo que o que ai vem é muito mesmo.

    Adoro Auri e acredito que Devi ainda vá dar muita dor de cabeça ao nosso heroi.

    No volume seguinte, fiquei a gostar mais de Denna, mas o final do livro houve para ali um desentendimento LOL, vamos ver o que vai dar.

    BJ

    ResponderEliminar
  8. Paulo, exactamente por ele ser tão parecido com o Fitz é que gostei tanto dele!=D Pobres desgraçados, acontece-lhes de tudo!
    Tenho de ver se compro a primeira parte em breve, puseste-me em pulgas, eu quero saber o que vai acontecer a seguir lool

    ResponderEliminar
  9. Sim se formos a ver bem tem coisas em comum, ambos são inteligentes, talentosos, observadores, dotados digamos.

    Eu tenho cá uma pequena impressão que o Rofhuss já leu a Robin Hobb, mas não estou a afirmar que o fez, atenção.

    Seja como for ambos os escritores tem um estilo de escrita muito cativante, mesmo.

    Já agora e para te despertar a curiosidade, há um capitulo com o nome Urtiga :D e em determinada fase do livro Kvothe vai utilizar os seus conhecimentos e perceber que determinada personagem está a ser envenenada....vai ser importante e engraçado ;)

    Despacha-te a comprar, nem parece teu :P

    ResponderEliminar
  10. Há?!=O Pronto, agora vou ter de me ir atirar ao "Regresso do Assassino" e deixar o resto em espera, e a culpa é tua loool
    Não é justo, "Os Reinos do Caos" saí para a semana, o "Presságios de Inverno" esta sexta e ainda tenho de ir comprar a primeira parte de "O Medo do Homem Sábio", isso não se faz...=O

    ResponderEliminar
  11. Fazes muito bem em voltar a rever o amigo Cavalaria, a nova saga é bem melhor que a primeira e muitos acontecimentos serão explicados nesta nova serie.

    A manha e o talento terão novos desenvolvimentos ;)

    Quanto aos novos livros que estão a sair careço do mesmo mal que o teu, logo se vires alguém preso por tentar assaltar um banco, poderei ser eu :D

    Vamos ver mas é se a SDE muda os livros de oferta *assobio*

    ResponderEliminar
  12. Deixa-me despachar os "Dragões de Éter", o que está a ser complicado...

    Loool só para saberes, estou acabadinha de chegar com o meu exemplar de "O Medo do Homem Sábio - parte 1" =D

    Isso por acaso era uma ideia estupenda...aquilo precisa de uma renovação urgente!

    ResponderEliminar