segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Opinião - Acácia, Presságios de Inverno

Título Original: Acacia: The War with the Mein (#1.2 Trilogia Acácia)
Autor: David Anthony Durham
Editora: Saída de Emergência
Nº de Páginas: 368


Sinopse
 Um rei assassinado pelo seu mais antigo inimigo.
Um império dominado por um povo austero e intolerante.
Quatro príncipes exilados determinados a cumprir um destino.
Recuperar o trono de Acácia poderá ter consequências devastadoras.

Há muito que o Reino de Acácia deixou de ser governado em paz a partir de uma ilha Idílica por um rei pacificador e pela dinastia Akaran. O cruel assassinato do rei trouxe muitas mudanças e grande sofrimento. Com a conquista do Trono do Mundo Conhecido por parte de Hanish Mein, os filhos de Leodan Akaran são forçados a refugiarem-se em zonas longínquas que desconhecem. Sem tempo para fazer o luto pelo seu pai, os jovens príncipes são separados e jogados à sua sorte num mundo cada vez mais hostil. E é entre piratas, deuses lendários, povos guerreiros e espíritos de feiticeiros que encontram a sua força e a sua verdadeira essência. Entretanto, Hanish continua empenhado na sua missão de libertar os seus antepassados e finalmente entregar-lhes a paz depois da morte. Mas para isso, os Tunishnevre precisam de derramar o sangue dos príncipes herdeiros…
Conseguirá Hanish capturar os filhos do falecido rei Akaran? Voltarão a cruzar-se os caminhos dos quatro irmãos? Estará o coração de Corinn corrompido e rendido à paixão por Hanish ou dormirá com o inimigo apenas para planear a reconquista do Trono de Acácia? E se, de olhos postos na vitória, os herdeiros de Akaran voltarem a sofrer o mais duro dos golpes?


Opinião 
 A segunda parte do primeiro volume da Trilogia de Acácia, traz-nos as mudanças e as resoluções que todo o Mundo Conhecido está prestes a sofrer e, mais uma vez, o controlo do Trono está entre Hanish Mein e os herdeiros de Leodan Akaran. Com destinos afastados mas entrançados os quatro príncipes têm uma guerra para vencer, em que vão ter de escolher entre o passado e um novo futuro, entre lutarem por si próprios ou convocarem os antepassados e em que nada pode correr como estão a espera. Numa aventura inigualável por um novo mundo, Durham dá-nos a sua visão tão elogiada no mundo da Fantasia.
Mais uma vez, vou ter de referir a pena que tenho que este livro tenha sido dividido em duas partes. Apesar de achar que a divisão foi bem feita, uma vez que cada parte conta uma história diferente, acho que este livro teria tido uma maior aceitação entre os leitores se tal divisão não tivesse acontecido. Por outro lado, tenho de elogiar as capas desta série. São lindas! E são umas lombadas que ficam tão bem na estante!
Quanto ao livro em si, não estava a espera de nada de surpreendente e de uma segunda parte calma, em que não houvesse grandes mudanças… como eu estava enganada! O autor começa calmamente para a partir do meio do livro nos encher de grandes momentos, surpresas inesperadas e um final auspicioso surpreendente, prometendo dois próximos volumes enigmáticos. Para quem pensava, como eu, que sabia como esta trilogia ia terminar, este livro desengana-nos por completo.
Infelizmente, achei que a acção foi demasiado rápida, não sei se é por estar habituada à lentidão do Martin, mas pareceu-me que foi tudo pouco explícito e que vários momentos e situações teriam sido muito melhores aproveitadas se mais explicadas ou se tivessem sido mais demoradas. Em contrapartida, temos mudanças de alto risco na história, mortes que me surpreenderam muito, principalmente a de uma personagem que eu considerava indispensável para esta história mas enfim, o autor lá terá as suas razões.
Mesmo assim, fiquei estupefacta com o rumo que o livro levou, e apesar de achar que devia ter sido melhor explorado e feito com mais calma e pormenor, este segunda parte consegue agarrar o leitor a meio do livro com momentos brilhantes de escrita.
Outra coisa que tem-se de elogiar é as suas personagens. A variedade de personalidades que encontrámos, principalmente nos príncipes Akaran é soberba, e o escritor soube aproveitar as características da meninice, as reviravoltas do passado e a forma como cada um foi criado para criar quatro personalidades distintas, fortes entre si, e que acabam por se tornar os pontos altos deste livro. De salientar, Corinn, a minha personagem preferida, que neste livro demonstra muito mais do que seria de esperar da princesa fútil. Também, Maender e Hanish, são duas personagens de peso, diferentes entre si, que proporcionaram momentos de grande relevo.
Mantêm-se as características na escrita e a qualidade soberba deste Mundo Conhecido. Durham apresenta-nos novas sociedades e povos e uma mensagem acerca da pluralidade de povos que devia ser ouvida actualmente e que nos põe a pensar.
Foi um livro que me surpreendeu mas ao mesmo tempo queria muito mais dele, vamos ver o que o próximo volume nos traz. Recomendo-o a qualquer pessoa que goste de Fantasia e não seja elitista porque muito possivelmente não sabem o que estão a perder.



6*

4 comentários:

  1. Tenho o primeiro para ler... Queria esperar para ter este para lê-los de seguida. Não és a primeira pessoa a dizer-me que não concorda muito com esta divisão.

    ResponderEliminar
  2. Jojo, é um livro pequeno e para além disso houve muita gente que leu o primeiro e não gostou, o que se calhar não teria acontecido se ele nã estivesse dividido!
    Fazes bem em lê-los seguidos ;)

    ResponderEliminar
  3. Olá,

    Antes demais as minhas desculpas por não "aparecer" com a frequência que desejava, sabes que gosto do teu blog e ler as tuas criticas, mas o tempo não dá para tudo, logo espero conseguir arranjar mais um tempinho para vir volta e meia espreitar os teus comentários ;)

    Li o primeiro volume, gostei e fiquei com esperança que este fosse melhor, até porque de certeza que os acontecimentos ocorridos no primeiro volume podiam estar a preparar outros para o futuro e assim terminar um ciclo na saga (estes dois fazem o livro I da versão original).

    E pelo que tenho lido (mesmo assim consegui não ser spoliado) penso que se confirma que este volume melhora em relação ao primeiro o que me deixa ainda mais curioso por ler.

    Para já quero terminar o Reino do Caos de Martin (estou a adorar) e gostava de ler ainda o novo do Feist, mas este não me escapa ;)

    BJ

    ResponderEliminar
  4. Olá Paulo,

    O que interessa é passares por aqui sempre que puderes ;)
    Neste momento estás ocupado com uma leitura fantástica, e ainda bem que estás a gostar, mas quando puderes pegar neste, avisa para eu saber o que estás a achar!
    Este livro acaba por ser superior à sua primeira parte e espero que gostes =)

    Beijo e boas leituras

    ResponderEliminar