domingo, 15 de abril de 2012

100 Anos depois da Tragédia

Desde pequena que a História do Titanic me tem fascinado ao longo dos anos, muito por culpa do Titanic de 1997, um filme donde hoje eu já não retiro a linda história de amor mas a tragédia que matou a maior parte dos passageiros do "Inafundável".
100 anos depois, é difícil não ligar a televisão e não nos vermos bombardeados com esta data maldita que tanto mudou o Mundo e uma época. Por isso, passeia a tarde de frente à televisão a assistir a esta magnífica série, bem estruturada e apresentada, onde não existem nomes famosos para nos fazer perder a concentração de uma história que vai fascinar o Mundo durante mais 100 anos e muito depois dos vestígios do Titanic desaparecerem para sempre do fundo do mar.




Uma homenagem àqueles que correram atrás de um sonho e morreram sem o puderem viver. Uma homenagem aos sonhos mortos e à demonstração que a ambição e o erro humano podem sair mais caros do que imaginámos. Este levou cerca de 700 vidas humanas.



Daqui 30 anos, o que resta deste navio terá desaparecido mas hoje é Património Mundial e a sua tragédia levou a que em 1914 houvesse uma série de medidas para se evitar que o mesmo se repetisse, o que diminuiu os acidentes navais em 85%.




4 comentários:

  1. Também estive a ver a série e gostei muito.
    Também tenho um certo fascínio pela história do Titanic, que fiquei também a conhecer pelo filme de James Cameron, mas já na altura não liguei muito à história de amor protagonizada por Leo Dicaprio e Kate Winslet, achei sempre muito mais interessante as restantes histórias inerentes ao navio e o facto de eles mostrarem os verdadeiros destroços deste (adorava poder mergulhar para visitar um achado qualquer do género, é um outro fascínio inexplicável que tenho!).

    Passei a semana a ver filmes e documentários que passaram na tv sobre o tema, e achei-os todos mais interessantes que o Titanic de 1997, pois, tal como nesta série, contam-nos várias outras histórias verídicas de passageiros do mal-aventurado navio.

    Devido à minha curiosidade sobre o tema, numa das pesquisas que efectuei encontrei esta curiosidade, que aproveito para partilhar: http://leiturasdeaab.blogspot.pt/2012/04/curiosidades-literarias_14.html

    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Eu só desde ontem é que tenho estado a ver documentários e estive a agora a ver mais alguns. É uma história que ao longo dos anos não perde a influência que tem.

    Depois do filme, cada vez mais tem sido os aspectos técnicos e mais históricos que me têm fascinado e esta série é realmente fantástica em pormenores e histórias. Ainda a bocado estava a ver um documentário com familiares da equipa técnica, sendo que nenhum deles sobreviveu, e é de arrepiar os relatos deles.

    Já tinha visto o teu post e é realmente daquelas coincidências que põem qualquer cabeça a pensar no impensável. Como é que é possível tanto pormenor igual?

    beijinho

    ResponderEliminar
  3. Apesar de gostar do tema, estou à espera que esta febre passe para ver algo realmente interessante, porque acho que esta mania de só se lembrarem do que devia sempre ser lembrado nestas alturas é errada.
    O facto de ver um monte de coisas sobre o tema acho que lhe tira de certa forma a magia.
    Mas é sem dúvida uma grande história real sobre o orgulho e a mediocridade humana. O navio que nem Deus podia afundar. O navio dos sonhos... e que os destruiu, no fim.

    ResponderEliminar
  4. O problema Mar é que só nestas ocasiões é que se lembram de passar na Televisão ou falar em revistas, ou no que quer que seja no tema. Se pensarmos bem, até podia ser pior, podia-se não se dar qualquer valor e ser esquecido como tantos outros momentos históricos. As datas servem para isso mesmo, para ser recordadas e as pessoas de serem relembradas e as novas gerações necessitam de saber.
    Apesar de eu concordar contigo, muitas vezes, senão fosse a febre dos media, quantos pessoas e factos estariam esquecidos nos tempos?

    ResponderEliminar