segunda-feira, 7 de maio de 2012

Opinião - Antes do Amanhecer

Título Original: The Hour Before Dawn
Autor: Sara MacDonald
Editora: ASA
Número de Páginas: 300

Sinopse
 Quando a jovem Fleur conhece David, piloto de helicópteros do exército britânico, apaixona-se imediatamente e não hesita em abandonar o seu sonho de ser bailarina para se dedicar ao casamento. Tudo parece perfeito: embora longe de Inglaterra, o casal tem em Singapura uma vida repleta de exotismo e duas encantadoras filhas gémeas, Nikki e Saffie. Mas esta felicidade tem um fim abrupto quando David morre num acidente. Desamparada e só, Fleur prepara-se para regressar a Inglaterra com as filhas, quando Saffie, com cinco anos, desaparece misteriosamente.
Vinte e oito anos depois, Nikki vive na Nova Zelândia e aguarda com ansiedade a visita da mãe, a quem sempre culpou pelo desaparecimento da irmã. Mas agora é Fleur quem desaparece durante um voo de escala em Singapura, o epicentro de todos os dramas. Nikki inicia então uma viagem arriscada com o objectivo de encontrar a mãe e enfrentar os fantasmas do seu passado.
Nenhuma delas poderia imaginar a dimensão dos segredos que a história da família esconde…


Opinião

O primeiro dos sete romances da autora a ser publicado em Portugal, Antes do Amanhecer, é uma história sobre sofrimento e perda, traição e perdão e a força dos laços familiares, desafiados por obstáculos difíceis de ultrapassar que podem levar a perda de uma vida.
Quem já esteve com este livro nas mãos sabe que há qualquer coisa de encantador naquelas páginas pintadas a rosa e naquela capa delicada, mesmo que não seja uma grande fã da cor como eu mas, ao ler a sinopse na parte de trás, um arrepio percorre-nos a espinha como que um aviso que este livro é tudo menos cor-de-rosa, o que me faz matutar em como muitas vezes as capas não correspondem em nada aos livros.
Este livro trata de assuntos delicados, preconceituosos ou mesmo dolorosos como a perda de um filho, de um irmão gémeo e como essa perda pode destruir a relação das duas pessoas que mais sofreram com essa perda, entre outros assuntos. No meio da beleza exótica de Singapura, o passado e o presente entrelaçam-se para contar esta história que pode chocar os corações mais duros e quebrar uma segurança inabalável. Uma demonstração de como cada acto irreflectido pode levar a caminhos pantanosos e de como o destino pode ser inabalável.
Quem começa a ler este livro encontra aquela que podia ser uma linda história de amor que cresce para ser abalada por um destino demasiado cruel. Através de capítulos salteados entre passado e presente, é nos contado cada detalhe desta longa história em que o momento em que tudo culmina acaba por ser o desencandador de uma série de revelações que podem abalar os alicerces das vidas de duas mulheres. Sinceramente gostei da maneira como a história é nos contada, de como os saltos nos capítulos nos iam desvendando cada mistério e justificando cada uma das acções. O livro está constituído de forma a que seja um lento clímax, em que quando pensámos que chegámos ao momento alto do livro este apenas desencadeia toda a história por trás dele.
Esta não é uma história nem fácil de ler nem aceitar, em que colocámos muitos porquês e em que acabámos por questionar cada acção das personagens, tornando-se uma leitura emotiva, que traz todo o tipo de sensações. Quando pensámos que já nada nos pode abalar nesta história, um novo acontecimento é adicionado e novas dúvidas surgem, impedindo-nos de não sentir a dor e a perda das personagens.
Este é um enredo que choca e mexe connosco em todos os sentidos e em todos os papéis que representámos ou iremos representar na nossa vida, fazendo com que critiquemos e aprendamos mas também com que o medo nos assola os corações. Um livro em que demasiados assuntos delicados são colocados ao nosso julgamento e que pode provocar ideias incorrectas ao leitor, mesmo que não de propósito.
Apesar de não me ter sentido apegada às personagens, penso que cada uma delas foi delineada de forma correcta para o respectivo papel mas que acabam por conquistar a nossa simpatia através do seu sofrimento e não por elas próprias. Ao conhecermos as diversas fases das vidas das personagens pudemos acompanhá-las, passo a passo, ao longo das descobertas que vão ocorrendo.
Não foi uma leitura fácil e senti-me muitas vezes revoltada com ela ou demasiada emocionada mas é um tipo de livro que de vez em quando devemos ler para dar-mos valor ao que temos e para aceitarmos que o destino nos pode dar muitas partidas. A escrita da autora mostrou-se adequada ao tema que escolheu e à altura da força de sentimentos que este tipo de história pode causar. Como ponto negativo fica o facto de me ter parecido que paira algum preconceito ao longo da leitura e de a escritora não nos dar personagens com que nos consigamos identificar.
Espero voltar a ler algo da escritora mas não me sinto capaz de regressar a este livro por tudo o que ele implica mas para quem gosta de histórias fortes sobre os sentimentos humanos, aconselho a que não se deixem enganar pela capa e percam algum tempo a ler esta história.

6*

Sem comentários:

Enviar um comentário