sábado, 9 de junho de 2012

Opinião - Cinco Quartos de Laranja

Título Original: Five Quarters of the Orange
Autor: Joanne Harris
Editora: ASA
Número de Páginas: 320

Sinopse
 Framboise regressa à pequena cidade onde nasceu, na província francesa, e abre aí um restaurante que rapidamente se torna famoso, graças às receitas de um velho caderno que pertencera à sua mãe. Essa espécie de diário contém igualmente uns estranhos apontamentos cuja decifração lançará uma nova luz sobre os dramáticos acontecimentos que marcaram a infância da protagonista nos dias já longínquos da ocupação nazi.
Framboise recorda os sabores e os sentimentos da sua infância, numa França marcada pela dor e pela penúria da guerra, e muito especialmente um episódio que marcou a vida da família e constitui, para ela, a perda definitiva da inocência. Agora, já no Outono da vida, chegou a hora de enfrentar a difícil verdade.


Opinião 
 Publicada em mais de 40 países, vencedora de vários prémios, Joanne Harris é um dos nomes mais amados da literatura. Com fama granjeada graças à brilhante produção cinematográfica de Chocolate, são os seus livros que nos arrebatam a cada página, seja qual for a história que nos decida contar.
Com diversos temas e épocas, os seus livros podem conquistar qualquer tipo de leitor, mas tem sido os seus livros baseados na gastronomia, no ingrediente “secreto”, que mais têm deliciado os seus fãs. Cinco Quartos de Laranja faz parte dessa temática, de como certos alimentos e receitas podem influenciar a nossa vida de forma drástica. Da Trilogia da Comida que a autora iniciou com o célebre Chocolate e terminou com este livro, temos histórias díspares, protagonistas antagónicas e um elemento gastronómico muito especial.
Joanne Harris é uma das minhas autoras de eleição e tenho aproveitado para finalmente juntar todos os seus livros e ler aqueles que me têm escapado ao longo dos anos. Quem olha para as capas ou sinopses dos seus livros, não imagina o que eles podem conter, o quanto uma história sua é capaz de nos arrepiar, levar ao extremo da sanidade ou do emocional, a menos que tal como eu, seja uma leitora ávida dos seus livros que se apaixonou pelo primeiro que leu.
Este livro é uma daquelas obras-primas disfarçadas por uma capa simples e uma sinopse que nada nos diz e que guarda uma das suas melhores histórias. De uma forma inocentemente macabra, a autora transporta-nos para um local na França onde a II Grande Guerra quase passa ao lado mas que vai marcar uma família e uma vila de uma forma que ninguém irá esquecer. Através de um relato cheio de sombras e segredos, conhecemos a mesma pessoa em duas fases da sua vida, e em cada relato essa pessoa é nos revelada de diferentes formas e perspectivas, demonstrando-nos que a experiência e a vida podem marcar um indivíduo e mudá-lo para toda a vida.
Numa história chocante que nos enche de perplexidade e impotência, no seu habitual estilo único e marcante, Joanne mostra-nos que não há inocentes que os culpados muitas vezes não o são. Que no fundo, uma criança inocente, no meio dos seus medos infantis, na sua forma clara de ver a vida, pode causar a tormenta e a dor a todos os que a rodeiam.
Mais uma vez, senti-me puxada para o meio de uma história típica de Harris. Voraz, pensada, bela e irónica, onde cada acção e momento podem marcar toda uma vida, onde um simples erro pode condenar e alterar todo um destino. A forma como a autora nos leva em cada encruzilhada, sem temer o que iremos pensar, é brilhante e humana, onde a mente pode tomar decisões de forma tão pesada quanto o coração.
Com um leque de personagens simples, onde nada é o que parece, Joanne consegue transpor o que de mais cruel e mais benevolente o ser humano pode ter. Cada personagem sua é uma surpresa, cada uma delas na sua simples mortalidade pode impressionar-nos ou levar ao horror de um acto impensado. De todas as personagens da escritora, estas foram as que mais me chocaram, pela sua história dramática, pela crueldade da insensatez e da busca da independência ou do amor. Cada vez mais, fico espantada pela forma como a cada livro que leio desta escritora, fico a gostar ainda mais dela.
Com um plano histórico pouco habitual da época, longe da guerra e dos grandes ataques, longe das atrocidades e dos actos macabros que se viveram, a autora consegue com que sintamos como até no local mais remoto e longínquo, esse espírito de sobrevivência passou para todos os que viveram sobre o jugo nazi. É revoltante e chocante pensar quantos vidas se perderam por bugigangas e futilidades, é atroz como uma criança por amor e incompreensão pode provocar actos de tal crueldade.
Brilhante e antagónico, leva um leitor a extremos impensados, causando um tumulto de sensações que provoca uma leitura voraz. Cinco Quartos de Laranja é, talvez, um dos melhores livros de Joanne Harris e para mim, um marco do seu génio enquanto escritora.

7*

5 comentários:

  1. É dos meus preferidos da Joanne Harris e já o reli umas três ou quatro vezes. É lindo, cheia mesmo a laranja, e a sonhos, e a vivências, e a paixões. No fim, é uma estória de vida, ou uma vida com história...ainda não sei bem. Mas é arrebatador.

    Cláudia (Encruzilhadas Literárias)

    ResponderEliminar
  2. Só li dois livros da Joanne Harris, tendo sido o primeiro o famoso "Chocolate" e o segundo "O Rapaz de Olhos Azuis". Fiquei fã logo após a leitura de "Chocolate". De início odiei o livro profundamente mas depois de algum tempo percebi que o tinha adorado. Tenho o "Sapatos de Rebuçado" à minha espera na estante e estou ansiosíssimo por começar a lê-lo. Sou um grande fã de fantasia e ficção científica, mas os livros da Joanne são uma pausa maravilhosa quando fico saturado desses géneros. Esta crítica deu-me vontade de ler todos os livros dela!

    ResponderEliminar
  3. Cláudia: É lindo mesmo, adoro a maneira como ela transmite as sensações através das páginas, é uma escritora maravilhosa =)

    The Book Terminator: Desses dois ainda só li "O Rapaz de Olhos Azuis" mas aconselho-te vivamente o "Na Corda Bamba", é o meu preferido de sempre dela =)
    Esses também são os meus géneros de eleição mas a Joanne é uma escritora fantástica que arrebata qualquer tipo de leitor. Muito obrigada, espero que gostes tanto dele como eu!

    ResponderEliminar
  4. Eu já li três de Joanne Harris: Chocolate, Sapatos de Rebuçado e O Rapaz de Olhos Azuis e acho-a extraordinária. Ofereceram-me o Cinco quartos de laranja nos anos e pela crítica não me vai desiludir.:)

    ResponderEliminar