quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Opinião - A Melodia do Amor

Título Original: Gypsy
Autor: Lesley Pearse
Editora: Edições ASA
 Número de Páginas: 520

Sinopse
 Liverpool, 1893. Os sonhos de Beth são desfeitos quando ela, o irmão Sam e a irmã mais nova, Molly, ficam órfãos. As suas vidas, até então tranquilas e seguras, sofrem uma dramática reviravolta. Para escapar a um futuro de miséria e servidão, Sam e Beth decidem arriscar tudo, atravessar o Atlântico e partir à conquista do sonho americano. Mas Molly é demasiado pequena para os acompanhar e os irmãos vêem-se obrigados a tomar uma decisão que os marcará para sempre: deixá-la em Inglaterra, a cargo de uma família adoptiva.
A bordo do navio para Nova Iorque não faltam vigaristas e trapaceiros, mas o talento de Beth com o violino conquista-lhe a alcunha de Cigana, a amizade de Theo, um carismático jogador de cartas, e do perspicaz Jack. Juntos, os jovens vão começar de novo num país onde todos os sonhos são possíveis.
Para a romântica Beth, esta será a maior aventura da sua vida. Conseguirá a Cigana voltar a encontrar um verdadeiro lar?

Uma história de amor incondicional e coragem sem limites. Um livro irresistível, da autora de Nunca me Esqueças, Procuro-te e Segue o Coração.

 Opinião

Com fãs por todo o mundo, Lesley já vendeu mais de 7 milhões de exemplares dos seus livros, demonstrando que não é apenas amada pelos leitores britânicos. Capaz de escrever sobre os mais variados temas e géneros, esta autora nunca consegue evitar dar-nos uma personagem feminina marcante que irá percorrer um caminho doloroso até ao merecido final que pode, ou não, ser feliz. Autora de vinte livros, escritos entre 1993 e 2012 e um novo trabalho em caminho, a autora já deu mais do que exemplos suficientes do porquê da sua escrita ser tão aclamada.

A Melodia do Amor, publicado em 2008, retrata, mais uma vez, a corrida ao ouro e a emigração de ingleses para a América em busca de uma vida melhor, tema esse que predominava no primeiro livro da autora e pelo qual me apaixonei. Estavam assim reunidos os ingredientes para mais uma leitura empolgante e desesperante que não permitiria pousar o livro.

A música não é um sonho mas um talento que a faz feliz, algo que lhe permitirá esquecer a mágoa e o sofrimento que as imagens mais inexplicáveis e as confissões mais inesperadas lhe provocaram. Ao correr atrás de um sonho que não é seu, Beth descobrirá o amor, a paixão, a amizade e a lealdade, descobrirá que o destino não a espera no serviço de criada ou de empregada de loja e que a herança longínqua que o pai amava e a mãe repudiava, continuará a ser o seu único modo de ser ela própria. Entre as mesas de jogo, os palcos e a corrida ao ouro, Beth terá de passar por todas as provações, de crescer mais rápido do que desejaria para descobrir que o sonho, muitas vezes, caminha ao nosso lado.

Mais um drama, bem à medida de Lesley, mais um romance histórico onde a corrida ao ouro pode mudar a vida das nossas personagens. A escrita fluída e limpa da autora continua a surpreender-me pois quem mais é capaz de nos dar todo o drama, horror e tragédia e, mesmo assim, conseguir com que seja impossível largar o livro? Numa viagem ímpar da vida burguesa de Liverpool aos locais dos criados, de Nova Iorque a Filadélfia até chegar ao Canadá, a autora transporta-nos por todos os lugares e faz-nos conhecer todo o tipo de gente enquanto vemos Beth e os seus companheiros a crescerem, a mudarem com cada experiência. Este é um livro de dissabores e contrassensos, um livro que tanto gostei como odiei, um livro onde faltou a chama que aquele longínquo Segue o Coração me deu, onde os exageros e dramatismos da autora, desta vez, me deixaram a assoprar de cada vez que mais uma desgraça acontecia.

Através de uma narrativa empolgante, cheia de aventuras e viragens do destino, quatro companheiros apoiam-se, vivem lado a lado e colmatam as falhas uns dos outros, nunca sonhando o que a manhã seguinte lhes trará. Recheado de detalhes históricos interessantes sobre uma época e um acontecimento de que pouco se fala neste tipo de romances, Lesley agarra-nos, fazendo com que revivamos cada esforço e batalha que milhares, senão mais, de emigrantes tiveram de viver para conseguir alcançar uma vida próspera na terra prometida. Com cada situação, a autora fala de experiências e desamores, da coragem para sobreviver, para o ser humano conseguir ultrapassar-se. Em cada um dos protagonistas conseguimos visualizar um tipo de pessoa, um tipo de vida, um tipo de sonho, conseguimos compreender e admirar a forma como lutaram para alcançar o que queriam mas, desta vez, a história criada pela autora consegue falhar exactamente na construção destas mesmas personagens.

Um dos pontos obrigatórios de um livro desta autora é ter uma protagonista perfeita. Venerada pelos homens e admirada ou invejada pelas mulheres, cheias de coragem, beleza e garra, acompanhadas de muito bom senso, assim se pode resumir todas elas e Beth não é excepção, só que, desta vez, Beth foi o ponto mais irritante da leitura, talvez por ser tão demasiado perfeitazinha, talvez por nos ser impossível conceber que alguém assim faça tão más escolhas no campo amoroso, talvez porque ela acabou por me parecer demasiado extremista. Pelas suas escolhas e pelas razões delas, Beth foi para mim, o ponto da irritabilidade desta leitura e sendo a protagonista, acabou por estragar o restante efeito do livro. Quem salvou a leitura e foi o verdadeiro herói deste livro foi o Jack que, apesar de ver a mulher que ama a renega-lo por um parvalhão só porque não tem estudos, nunca deixa de estar ao lado e acaba por ser a força do grupo em todos os momentos, nunca desistindo, nunca perdendo a esperança.

Esta foi uma leitura que me tirou um pouco da vontade de voltar a ler a autora e que acabou por me desiludir um pouco e não é um livro que aconselhe a quem queria experimentar a autora mas que deve ser lido antes do memorável Segue o Coração.


 3*Opinião Clube BlogRing seguindo a classificação do Goodreads

4 comentários:

  1. Olá,

    Por acaso quero ler esta escritora, que na verdade a forma como chega até cá engana bastante, em primeiro lugar as capas são mais do tipo romantico e pelo menos alguns livros vem dentro de um saquinho que leva a crer que se trata de romance lol

    Mas ao ler os comentários de uma pessoa amiga e sendo uma das suas escritoras favoritas é que tomei conhecimento que era mais romance histórico e que os seus livros eram muito bons, até me emprestou o *Nunca me esqueças*, só que ainda não tive oportunidade de ler, mas se gostar não será o único que vou ler.

    Pena teres ficado com esse sentimento em relação à escritora :(

    BJS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!

      O "Nunca Me Esqueças" foi um dos dois livros dela que li e esse eu aconselho-te, sem dúvida, pelo teor histórico que ele tem.
      Realmente as capas enganam muito mas muito mesmo mas como já é mesmo costume uma pessoa já nem liga lool

      O problema é que este me faz lembrar o primeiro que li dela, que achei muito melhor e a protagonista deste é um atentado total e não me deixou apreciar o resto da história =(

      beijinhos

      Eliminar
  2. Eu tenho sentimentos ambivalentes quanto a esta autora. :/
    Tenho mais um dela para ler e só depois é que penso se continuo ou não a ler!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho aqui o "Procuro-te" e deve ser o próximo que vou ler mas já não sei bem o que esperar =s É que ler sempre o mesmo cansa...

      Eliminar