sexta-feira, 17 de maio de 2013

Opinião -Destinos Interrompidos

Título Original: Starters (#1 Starters and Enders)
Autor: Lissa Price
Editora: Planeta Manuscrito
Número de Páginas: 352

Sinopse
 Callie tem dezasseis anos e vive com Tyler, o irmão mais novo, e Michael, um amigo, nos escombros da cidade de Los Angeles. Quando as Guerras dos Esporos rebentaram, matando todos aqueles que tinham mais de vinte anos e menos de sessenta, Callie perdeu os pais. Como muitos outros Iniciantes, teve de aprender a sobreviver, ocupando prédios desabitados, roubando água e alimentos, fugindo aos Inspectores e combatendo os Renegados. Para tirar Tyler das ruas e garantir ao irmão uma vida melhor, Callie só vê uma solução: oferecer a sua juventude à Destinos Primordiais, uma empresa misteriosa que aluga corpos adolescentes aos velhos Terminantes - seniores, com centenas de anos, que querem ser jovens outra vez. Tudo corre como previsto, até o neurochip que lhe colocaram na cabeça avariar. Callie acorda, de súbito, na vida da sua locatária, a viver numa luxuosa mansão, a guiar carros topo de gama e a sair com o neto de um senador. A vida quase parece um conto de fadas, até Callie descobrir que a sua locatária não quer apenas divertir-se e que, no mundo perverso da Destinos Primordiais, a sobrevivência é apenas o começo.

Opinião

  Lissa já visitou quase o Mundo inteiro desde África à Índia até ao Japão e essas experiências não só lhe abriram os horizontes como lhe proporcionaram momentos para recordar. Estudou fotografia e escrita, e ainda hoje ambas as actividades fazem parte da sua vida: casou com um fotógrafo e tornou-se escritora. Para isso procurou sempre melhorar inscrevendo-se em cursos de escrita e ainda hoje se mantem mesmo grupo de escrita.
Fã de ficção-científica, foi neste género que Lissa viria a apostar quando há seis anos começou a escrever o seu primeiro livro. Inspirada por Suzanne Collins, Scott Westerfield e Catherine Fisher, esta autora começou o seu conto de fadas e hoje pode dizer que finalmente conheceu o sucesso através de algo que ama fazer.

  Destinos Interrompidos é o primeiro volume de uma duologia, assim escolhido pelo conceito da sua história. Publicado pela primeira vez em 2012, está já traduzido em mais de trinta países, venceu vários prémios e a autora já preparou o caminho para que ele se torne um filme, falta os seus direitos serem vendidos. Um sucesso principalmente na Europa, onde em alguns países será já lançado o último volume, este livro promete satisfazer aqueles que já se entregaram às leituras distópicas.

  Numa sociedade onde apenas os vulneráveis ficaram, o mundo dividiu-se em riqueza e pobreza, em juventude e velhice, em Terminantes e Iniciantes. E nesta sociedade desequilibrada, por trás de uma aparência dócil podem esconder-se planos tortuosos. O seu mundo ruiu, pedra por pedra, e agora Callie tem de sobreviver e proteger o irmão indefeso mas para isso vai ter de entrar num submundo perigoso, um submundo que é mais do que aparenta e colocará toda a sua vida em causa. Entre os luxos e as aparências de um meio que desconhece, Callie envolve-se numa complicada trama de conspirações e mentiras e torna-se um alvo a abater. Agora não pode confiar em ninguém mas aqui nada é o que parece e todos escondem demasiados segredos, todos têm de proteger a sua pele.

   Lissa inicia com este livro uma história que não só nos deixará a pensar nas repercussões das atitudes humanas como nos arrepiará do início ao fim com uma verdade inevitável, nada é o que parece e por baixo de uma bela aparência pode esconder-se algo muito contrário ao que pensámos ser a realidade. Com uma escrita sem rodeios, forte e marcante, a autora leva-nos ao lado negro da futilidade, mostra-nos como a ânsia por juventude e beleza pode criar situações onde nada importa senão termos o que queremos, como a necessidade de um lugar seguro no meio de um mundo onde já não nos reconhecemos, onde já não parece pertencermos pode levar-nos a dar tudo.

  Este é um mundo de falsas moralidades, de regras injustas, de aparências ilusórias e a autora mostra-o com uma cadência de situações que nos apresentam um crescendo de emoções que culminam num final tão fantástico que as palavras nos faltam e tudo se vira do avesso. Ao longo desta leitura assistimos a situações extremas, momentos de pura adrenalina onde rapidamente tudo se desaba e é necessário colocar o instinto de sobrevivência acima de tudo. E esse é o conceito mais importante deste livro. A sobrevivência. A preocupação com os que dependem de nós, com aqueles que nos restam, leva a actos de desespero, de luta feroz, de coragem indómita e isso marca este livro do início ao fim mas isto também leva a outro ponto, a futilidade, a falsa moralidade. 

  Todo o enredo se centra numa noção do bem e do mal mas essas noções podem concretizar-se em ideias contrárias ao defendido. A moral de uns pode desfazer-se perante coisas tão simples como luxos, a futilidade pode fazer desaparecer a preocupação com um mundo que ninguém vê, que todos fingem não existir, que denominam de ralé, sem se aperceberem que deviam proteger esses mesmos fracos de quem usam e abusam. Há uma dualidade nesta história que não pode nunca ser esquecida pois ela toca em conceitos, faixas etárias e vivências completamente opostas e esta é a essência desta história. Por isso, esta é uma história que prende a atenção, que nunca para de nos surpreender, cuja acção se desenrola em momentos inesperados que nos agarram e nos fazem não querer parar de ler. 

  Infelizmente faltou à autora explicar alguns elementos desta história para que houvesse uma total compreensão dela e isso dificulta um pouco a nossa noção deste mundo. Os antecedentes, a Guerra dos Esporos teve pouca atenção e penso que seria necessário explicá-la melhor. Por vezes a acção desenrola-se rápido demais ou acontece algo de pouco irrelevante mas no geral isto pode ser considerado os erros de uma principiante.

   Quanto às personagens, Callie domina e absorve a nossa atenção. Uma jovem que se preocupa, que luta, que faz tudo pelo irmão mas que não deixa de se deslumbrar com a vida de sonho que poderia levar. Isto faz dela a meu ver, uma jovem humana e real, com qualidade e defeitos e que merece o nosso respeito. Já as personagens secundárias precisavam de um pouco mais de profundidade e de destaque mas não deixam de cumprir o seu papel na trama, só gostava que tivessem estado um pouco mais presentes. Por fim, é impossível não falar num vilão que irá provocar pesadelos e sem dúvida destacar-se. O Velho é todos os nossos pesadelos e mostra-o a todos os momentos. Ponto positivo, o facto da autora não ter incindido num triângulo amoroso. Há forma de lá chegar mas a autora decidiu preocupar-se com outras coisas e merece o meu aplauso por isso.

  Destinos Interrompidos é mais uma leitura de sucesso nas muitas distopias que já li este ano. Pode não ter a qualidade de algumas mas sem dúvida que não se afasta das melhores. Agora resta-nos saber como tudo irá acabar  pois sejamos sinceros, aquele final deixa todos a salivar por mais.

6*

2 comentários:

  1. Achei que a obsessão dos Terminantes em reviver a sua juventude era tão assustadora. Especialmente quando estavam a aceitar tão facilmente a ideia de alugueres permanentes, que horror, sem pensarem nas consequências para os, er, verdadeiros donos do corpos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente! E depois ela descreve-os de uma forma que nem te lembras que estámos a falar de avózinhos...é very scary =x

      Eliminar