quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Opinião - Provocadora

Título Original: Provocative in Pearls (#2 As Flores Mais Raras)
Autor: Madeline Hunter
Editora: ASA
Número de Páginas: 336


Sinopse
 Verity Thompson desapareceu no dia do seu casamento. O seu paradeiro manteve-se secreto durante dois anos. Um longo período em que o marido, o conde de Hawkeswell, viveu na penúria e na incerteza. Verity deixou para trás uma fortuna imensa mas inacessível, pois o seu óbito não foi declarado. Nem poderia sê-lo pois ela está bem viva. Ao ser obrigada a casar, Verity fugiu de Londres e refugiou-se, incógnita, no campo. Sem qualquer interesse pelo título ou estatuto do marido, abdicou da sua fortuna em troca da liberdade. Mas o passado tem os seus próprios desígnios e a jovem vê-se agora obrigada a regressar à cidade e a um casamento sem amor. Por seu lado, o arrogante Hawkeswell está disposto a chegar a um acordo: se Verity lhe conceder três beijos por dia, ele não a obrigará a cumprir os deveres conjugais. Mas, claro, há beijos e beijos... e Verity vai perceber até que ponto se arruinou ao entregar-se às mãos hábeis de um mestre.


Opinião
  Madeline Hunter é considerada a Rainha do Romance e prova disso é a sua carreira de treze anos cheios de sucessos. Finalista e vencedora de vários prémios, com muitos dos seus livros em listas de bestsellers de várias revistas, esta autora romântica é professora universitária e doutorada em História de Arte. E já vendeu seis milhões de cópias de livros e foi traduzida para doze países.

  A autora é muito provavelmente a autora de romance histórico favorita das portuguesas e este segundo livro da série As Flores Mais Raras poderá bem seguir o sucesso do anterior, Deslumbrante. Publicado em 2009 e traduzido para cinco línguas, Provocadora é o segundo volume desta série e esteve nomeado para o RITA Award 2010 na categoria de Melhor Romance Histórico da Regência.

  Após regressar a Madeline Hunter com Deslumbrante heis que chego à segunda história das Flores Mais Raras, uma história que tal como no livro anterior não se centra apenas no romance mas acaba por se deixar influenciar pela época em que a acção se situa, o que dá a esta série um factor diferente que incita a sua leitura e a torna mais interessante. Com uma escrita cuidada e bem pensada, a autora dá um tom mais educado mesmo às cenas mais sensuais que às vezes retira um pouco do romantismo da história. Mesmo assim nota-se que esta é uma autora que tem atenção vários pormenores como as relações entre a alta sociedade, o papel da mulher, o vestuário ou mesmo situações do dia-a-dia que acabam por compensar o romantismo mais leve das suas histórias.

  Bem desenvolvida, a narrativa centra-se na relação dos protagonistas, nas restantes personagens da série já apresentadas no livro anterior e no habitual mistério que influencia sempre o romance principal. Desta vez, esse mistério centra-se nos problemas nas indústrias inglesas pós-guerras napoleónicas dando uma visão interessante da relação entre as classes baixas que trabalhavam nas fábricas e entre aqueles que detinham o poder. Ou seja, enquanto romance histórico, este livro centra-se bastante nos pormenores de época o que enrique a leitura mas que acaba por deixar o romance um pouco defraudado. Começa a ser costume reparar que o início dos romances desta autora soam sempre um pouco forçados e neste caso até pouco credível já que no início não se percebe bem a paixão entre o casal que vai evoluindo aos solavancos até finalmente se encarrilhar. Quando isso acontece, de facto, este romance acaba por ser não só docemente romântico como bastante provocador o que melhora em muito a sua leitura e torna a química crescente entre o casal mais credível.
 
  Como em todo o romance de Hunter este amor não só é feito de atracção como de confiança e aceitação. Ao longo da história os protagonistas, juntos pelas circunstâncias e obrigações, acabam por se tentar conhecer, tentam aprender a lidar com os feitios um do outro e vão cedendo em coisas que no início do livro lhes pareceria impossível. No final, esta é a grande lição a tirar-se da relação de Verity e de Grayson que vindos de mundos diferentes, representam o típico casamento da época de troca de dinheiro por título social, acabam por se aceitar e a viver com um pé num mundo e outro pé noutro.

  Os protagonistas são duas pessoas diferentes mas altamente teimosas e firmes nas suas ideias no início do livro mas com Verity vai-se notando as cedências que ela acaba por fazer. Não é evidente mas em pequenas coisas parece que a personagem acaba por ceder terreno em demasia e noutras é demasiado teimosa. Já Grayson é um primor. A forma como a personagem evolui sem mudar radicalmente é perfeita e acaba por ser ele com o seu mau feitio e romantismo inesperado a tornar esta leitura algo de muito doce. Sendo uma série, este livro continua a apresentar-nos personagens do livro anterior, deixando-nos acompanhá-las apesar de menos do que em Deslumbrante. Achei a Audrianna muito apagada neste livro e espero que no próximo já se pareça mais com ela própria.

  Um romance que entretém e nos faz sonhar e sorrir, Provocadora prova que esta pode ser uma série a apostar para quem não gostou da autora ou ainda não a leu pois este livro acaba por superar o primeiro em termos de entretenimento. Penso que esta série vá evoluindo de qualidade de livro para livro por isso pode ser que sejam os próximos a finalmente convencer-me.

5*
 
As minhas opiniões da série

Sem comentários:

Enviar um comentário