domingo, 12 de janeiro de 2014

A Experiência da Leitura Digital

  Já lá vai mais de um ano desde que o pequeno cá chegou a casa e se no início custou a habituar-me a usá-lo, hoje em dia quase não nos largámos!

  Quando comprei o Kobo foi com um objectivo: Começar a ler mais em inglês. Não é segredo que vários são os ebooks disponíveis gratuitamente na sua língua original quer em sites de autores, quer no site da Kobo ou Amazon, ou a minha grande descoberta, NetGalley, um site onde as editoras e autores disponibilizam livros neste formato. Não quer com isto
dizer que leio apenas ebooks no ereader pois muitas vezes tenho de os ler no pc por causa do formato em que estão mas que o ereader foi uma grande ajuda para o aumento das minhas leituras em inglês foi, sem dúvida. 

  Para além disso, fez-me procurar novos autores e séries. Desde contos  aos primeiros volumes de séries disponíveis de forma grátis, muitos são aqueles que esperam no Kobo para ser lidos e, até mesmo, ebooks comprados quer pelo preço muito baixo quer pela curiosidade. Mas também os clássicos se tornaram mais acessíveis pois estando todos disponíveis gratuitamente no Project Gutenberg em inglês, pode se dizer que não lê clássicos quem não quer. A mim dá-me imenso jeito para não ter de andar com as minhas versões bonitas mas nada prácticas atrás e, claro, para ler o que não se encontra traduzido em português.

  E, se o ereader começou por ser um incentivo a ler mais numa língua estrangeira, nos últimos meses tem se tornado também uma forma de ler o que é nacional pois cada vez mais os autores portugueses têm apostado no formato ebook para dar a conhecer as suas obras em vários sites como os acima referidos ou por exemplo o Smashwords. Juntando a isso o facto de que os contos do Fantasy & Co que junta vários jovens autores nacionais que escrevem fantasia, FC, horror, entre outros, podem ser lidos não só online mas também em ebook, conhecer o trabalho literário nacional é cada vez mais fácil, haja tempo para se ler tudo! E, para quem procura os clássicos nacionais, temos o Projecto Adamastor. Ou seja, se no início o meu Kobo estava repleto de ebooks internacionais, hoje ele já começa a ter uma quantidade bonita de autores portugueses.

  Para além de tudo isto a realidade é que o Kobo não pesa na mala e tem a vantagem que nos permite trazer centenas de livros connosco sem que demos cabo das costas ou que os amigos nos chamem de loucos por levarmos uma dezena de livros atrás para as férias. Permite-nos inclusive destacar citações que gostámos, algo que não faço nos livros físicos, por exemplo. Ou seja, há vantagens nesta coisa dos ereaders e cada vez mais o tenho visto, agora, se me perguntarem, a verdade é que continuo a preferir os livros físicos, continuo a comprá-los e a lê-los e espero que nunca desapareçam mas isso não quer dizer que não possa apreciar com  todo o conforto a Experiência da Literatura Digital.

10 comentários:

  1. Há uma vantagem que ninguém fala e eu considero uma mais valia. Um livro físico esgota-se e pode não voltar a ser editado e o e-book não. Eu parto do principio que não haverá um limite para vendas :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem eu o.O

      PS: Também tenho um Kobo mas é dos mais antigos *.*

      Eliminar
    2. O Kobo é lindo e maravilhoso em todas as suas versões *.*

      Eliminar
  2. Olá
    Gostei de ler a tua opinião sobre o Kobo. Não conheço. Só o Ipad.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Lina! Para quem procura apenas um instrumento para ler livros, o ereader é bastante útil =)

      beijinhos

      Eliminar
  3. Já ando a pensar em comprar um há algum tempo! Confesso que não era grande fã da ideia, mas depois de ler tantas opiniões positivas, ando a piscar o olho a um :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. C. eu também achava que era uma moda e que não me iria trazer nada de novo mas há verdade é que ereader acabou por abrir bastante os meus horizontes literários =)

      Eliminar
  4. Sou demasiado apegada ao objecto livro para aderir a estas tecnologias, apesar de lhes reconhecer valor e algumas vantagens. Por enquanto, claro. Que sou apologista de nunca dizer nunca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também era Jo e dizia que o Kobo não me ia agarrar assim tanto mas lá está nunca se deve dizer nunca ;)

      Eliminar