sábado, 31 de maio de 2014

Opinião - Pecado

Título Original: Seven Years to Sin
Autor: Sylvia Day
Editora: Quinta Essência
Número de Páginas: 352


Sinopse
Nunca a rendição foi tão doce.


Numa noite quente de verão, a apenas algumas horas do seu casamento, a discreta Lady Jessica Sheffield testemunhou uma cena da qual nunca irá recuperar. Vê o jovem Alistair Caufield numa cena ferozmente íntima com uma mulher muito mais velha. Chocada, mas estranhamente excitada, ela manteve silêncio sobre o que viu, e caminhou até ao altar como esperado. Mas, ao longo de anos de um casamento sereno e normal, a imagem de Caulfield continuou na sua imaginação, alimentando sonhos muito ilícitos...

Alistair fugiu da tentação da debutante recatada com o fogo da paixão nos olhos para as Índias Ocidentais. Enquanto comerciante bem-sucedido, tem pouco em comum com o jovem libertino que ela conhecia. Mas quando, sete anos depois, a recém-viúva Jessica sobe a bordo do seu navio para uma viagem até à Jamaica, os sete anos de prazeres negados são mantidos em xeque apenas por algumas camadas de seda... e pela certeza de que renderem-se irá consumir os dois...



Opinião
  Autora de mais de vinte romances premiados e traduzidos em mais de quarenta línguas, Sylvia Day é uma das romancistas de maior sucesso da actualidade, sendo também uma das mais lidas globalmente. Presidente actual da Romance Writers of America, Sylvia começou a escrever em 2001 mas foi com a sua série Crossfire, onze anos depois, que o seu nome ficou na boca do mundo. Considerada a rival mais directa de E. L. James, Sylvia já recebeu inúmeros prémios e para além dos livros que tem publicados, tem também participado em várias antologias e escrito outros tantos contos. Participa em diversas conferências de leituras bem como em workshops e, para além de escrever como Sylvia Day, tem dois pseudónimos, escrevendo romance erótico em vários géneros. Crossfire tem os seus direitos para cinema vendidos à Lionsgate.

  Publicado em 2011, Pecado foi é o último de quatro romances históricos que a autora escreveu antes de          Crossfire e está traduzido para doze línguas.

  Depois de ter lido Rendida, tinha a certeza que Sylvia Day nunca me poderia surpreender e, por mais que tivesse gostado da sua escrita, achava que nenhuma das suas histórias seria suficiente para me tentar mas, como surpresa que foi desde o início, Pecado alterou a minha posição em relação a esta autora. Uma narrativa crua e sensual, apaixonada e cativante, este livro foi uma surpresa desde a primeira página, tendo-me deixado finalmente, rendida a esta autora, de uma forma que o seu grande sucesso não conseguiu. Sylvia Day é uma autora experiente, com um estilo próprio, cheio de elegância e sem quaisquer pudores, capaz de nos entreter e seduzir na mesma medida, a que não falta uma imaginação voraz nem a capacidade de nos contar uma história que nos agarra em absoluto.

  Um romance cheio de erotismo e fantasias, onde os nossos sentidos são tentados e a rendição exigida, este livro combina sexo e atracção com intimidade e amor, lealdade e crença, numa narrativa escaldante e provocadora mas, também, extremamente doce e apaixonada. Num navio a caminho da quente Jamaica, uma promessa com sete anos dá lugar a noites de paixão ardente que, pedaço a pedaço, se vai tornando algo mais. Já na fria Londres, um amor escondido poderá ser a salvação de uma perfeição brutal, se esta não se destruir primeiro. Duas histórias entrelaçadas que não se dominam uma à outra, dois amores assombrados pelos passados cheios de mágoa, dão lugar a um romance escrito de uma forma madura, inteligente e sedutora, onde além do sexo, não falta a complexidade da mente e da alma humana, sempre marcadas pelas cicatrizes do passado.

  Tal como acontece no outro livro da autora que li, a primeira coisa que liga as personagens principais, Alistair e Jessica, é a atracção poderosa que sentem um pelo outro e, ambos têm passados tenebrosos que os marcaram enquanto pessoas. Mas ao contrário do outro livro, este não é dominado pelos ciúmes, pela obsessão e algum descontrolo psicológico, é sim, uma viagem de transformações, onde o desejo se torna amor, a carnalidade intimidade e onde a atracção dos corpos se torna um entendimento de mentes. O romance, no início muito rápido e intenso no seu desenvolvimento, acaba por acertar o ritmo, o que lhe dá margem para se desenvolver de forma credível mas, precisava de um bocadinho mais de profundidade para se tornar uma história ainda melhor. Apesar disso, é um romance cativante e viciante que nos impede de largar as suas páginas.

  O enredo, apesar de contar duas histórias paralelas, está equilibrado, permitindo a cada uma delas desenvolver-se à sua maneira e, mais tarde, unirem-se da forma mais natural possível, não dando a impressão de estarmos a ler dois livros diferentes, o que me agradou bastante. Gostava contudo, de mais algum pormenor, principalmente na parte da viagem à Jamaica. Quanto às personagens, são densas, repletas de humanidade, cada uma com a sua personalidade e as suas marcas, as suas motivações e ambições, paixões e segredos.


  Pecado foi uma segunda oportunidade que se revelou bem merecida, pois serviu para Sylvia Day se redimir. Espero vir a ler mais desta autora, neste estilo.

Sem comentários:

Enviar um comentário