quinta-feira, 26 de junho de 2014

Opinião - Deep Blue

Título Original: Deep Blue (#1 Waterfire Saga)
Autor: Jennifer Donnelly
Editora: Disney Hyperion
Número de Páginas: 352


Sinopse
Deep in the ocean, in a world not so different from our own, live the merpeople. Their communities are spread throughout the oceans, seas, and freshwaters all over the globe.

When Serafina, a mermaid of the Mediterranean Sea, awakens on the morning of her betrothal, her biggest worry should be winning the love of handsome Prince Mahdi. And yet Sera finds herself haunted by strange dreams that foretell the return of an ancient evil. Her dark premonitions are confirmed when an assassin's arrow poisons Sera's mother. Now, Serafina must embark on a quest to find the assassin's master and prevent a war between the Mer nations. Led only by her shadowy dreams, Sera searches for five other mermaid heroines who are scattered across the six seas. Together, they will form an unbreakable bond of sisterhood and uncover a conspiracy that threatens their world's very existence.



Biografia
  Cresceu entre Lewis e Westchester, no estado de Nova Iorque e licenciou-se em Literatura Inglesa e História Europeia. O seu livro preferido é Ulysses de James Joyce e a personagem literária com que mais se identifica é Clarice Starling.

  Jennifer começou a escrever em 2002, quando publicou o seu livro de imagens para crianças e, também, o romance que lhe havia de granjear o sucesso, The Tea Rose, o primeiro dos seus cinco romances históricos.


  Numa tentativa de fugir aos fantasmas do passado que haviam inspirado as suas obras anteriores, Jennifer procurou algo novo mas sentia-se bloqueada, até que uma exposição de Alexander McQueen no MET aliada a uma chamada do seu agente sobre um projecto da Disney, a catapultou para o que viria a ser Deep Blue. Publicado este ano, será seguido por Rogue Wave, e é o primeiro de quatro livros da série Waterfire. Ainda só se encontra publicado na sua língua original.


Opinião
  Um vestido invocou uma visão. Uma visão de um mar belo e cativante, de um mar obscuro e traiçoeiro, que iria inspirar Jennifer Donnelly a escrever sobre profecias, demandas, amizade e sereias. Deep Blue é único na sua concepção, uma história arrebatadora cheia de promessas, que irá finalmente satisfazer os fãs da mitologia marinha e os que estão fartos de livros sobre amores românticos. Com uma escrita cuidada e doce, Donnelly leva-nos para as profundezas dos oceanos onde canções são feitiços, lendas verdades distorcidas e a amizade é o mais poderoso dos poderes. Uma história sobre descobrimento e destino, princesas e monstros mas, mais do que isso, uma jornada pelos mais belos tesouros e os mais monstruosos pesadelos.

  Conchas, anémonas, pérolas e estrelas do mar. Castelos afogados, caudas coloridas e brilhantes e espelhos cheios de algas onde podemos ver mais do que a nossa imagem. Polvos ou piranhas como animais de estimação. Canções que contam histórias e enfeitiçam. Bruxas que nos salvam e príncipes que nos desiludem. Este é o mundo que vive por entre as páginas deste livro. Um mundo de sonhos e imaginação, de lendas e contos de fadas. Mais do que as lindíssimas descrições que nos apresentam este mundo cheio de tesouros e magia, é a complexidade desta sociedade marinha que nos conquista. Reinos ou impérios, herdeiros da caída e bela Atlântida, reflectem nas suas caraterísticas as influências dos mares em que estão localizados e, se em terra o século XXI decorre, no mar o tempo parece ter parado numa época de bailes, intrigas e rainhas. Sociedades matriarcais, magia e profecias rivalizam com a extinção das espécies, a poluição e a caça ilegal, num confronto entre água e terra, futuro e passado, magia e ciência.

  Ao longo desta leitura, entrámos numa jornada que nos irá levar até um mal demasiado poderoso e antigo, um mal que tem deixado um rasto de destruição e crueldade atrás de si, discórdia e intrigas que têm dividido o mundo e provocado uma guerra tenebrosa. Para o destruir, é necessário união, poder, mas acima de tudo amizade, entre as mais improváveis das sereias. Aqui está a razão porque Deep Blue é tão refrescante em relação a outros livros. Não é sobre amor e príncipes encantados, é sobre amizade, confiança e ligação. É uma história onde seis raparigas não precisam de um rapaz que seja para mostrarem o que valem. É sobre família, expectativa e auto-descobrimento.

  As únicas falhas que se podem apontar a este livro são o final abrupto que nos deixa completamente perdidos e as personagens que precisavam de mais de profundidade. Se ficámos a conhecer bem Serafina e Neela, já Ava, Astrid, Ling e Becca entram tarde na narrativa e acabam por não conseguirem ser bem apresentadas na história, com muita pena minha. Quanto às personagens secundárias pareceram-me interessantes e o vilão convenceu-me.


  Cativante e delicioso, doce e aventureiro, Deep Blue é uma pérola única no vasto meio literário do género, que merece ser lido e apreciado, não só pela sua diferença, mas também pela sua essência. 


Oyster Dress, o vestido de Alexander McQueen que inspirou a autora

2 comentários:

  1. Olá! Estou encantada com a história do livro, sou apaixonada em sereias e mitologia marinha e gostaria de saber mais sobre o livro... Já tem ele em português? E se sim, por onde posso comprar o livro?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Bya!

      O livro ainda só está disponível na língua original.

      Boas leituras!

      Eliminar