quinta-feira, 5 de junho de 2014

Opinião - A Revelação

Título Original: Enders (#2 Starters and Enders)
Autor: Lissa Price
Editora: Planeta Manuscrito
Número de Páginas: 278


Sinopse
Com o fim da Destinos Primordiais, Callie já não tem de alugar o seu corpo a sinistros Terminantes. Mas o neurochip que lhe implantaram no cérebro torna-a vulnerável a todos os que quiserem entrar dentro da sua cabeça e obrigá-la a fazer coisas contra a sua vontade. Os Iniciantes que contêm este chip tornam-se cobaias nas mãos dos mais poderosos Terminantes, e alguém anda a fazer explodir os dispositivos, transformando-os em bombas humanas. Determinada a vencer o medo e dar uma vida normal ao irmão, Callie decide ripostar. Encontrar o Velho e travá-lo talvez seja uma sentença de morte, mas ela está disposta a tudo para descobrir a verdade.


Opinião
Lissa já visitou quase o Mundo inteiro desde África à Índia até ao Japão e essas experiências não só lhe abriram os horizontes como lhe proporcionaram momentos para recordar. Estudou fotografia e escrita, e ainda hoje ambas as actividades fazem parte da sua vida: casou com um fotógrafo e tornou-se escritora.

  Inspirada por Suzanne Collins, Scott Westerfield e Catherine Fisher, entre outros, Lissa decidiu apostar num género que lhe agrada, um distopia com ares de thriller e ficção científica, o que originaria o seu primeiro livro, Destinos Interrompidos.

 A Revelação é o segundo e último volume da sua duologia. Publicado em 2013, está traduzido para nove línguas. Contrariamente ao que costuma acontecer, foi publicado na Europa primeiramente e só um ano mais tarde nos EUA.

  Depois de um primeiro volume de tirar o fôlego, cheio de surpresas, ilusões e mentiras, eis que chega ao fim esta história distópica sobre uma sociedade dividida entre luxo e pobreza, juventude e velhice, sacrifício e abuso, ciência e moral. Destinos Interrompidos terminou, deixando muitas questões no ar, prometendo um final cheio de adrenalina e perigo neste volume seguinte, mas que acabou por se revelar anti-climático. Com uma escrita forte, clara e simples, Lissa Price leva-nos numa aventura marcante que nos faz questionar o futuro, a alma humana e a parte mais negra da tecnologia.

  Numa narrativa rápida e fluida como é a de A Revelação, somos empurrados ao longo de vários momentos plenos de revelações, umas inesperadas, outras nem por isso, numa corrida contra o tempo em que cada obstáculo é facilmente, demasiado, ultrapassado. Em termos de ideias, a história de Callie mexe com a nossa mente. Imaginar um dia em que podemos ser controlados por outros, usados para fazer o mal e perder o nosso livre arbítrio, é algo aterrorizante, e a forma como a autora expõe isso, ajuda a tornar este livro algo melhor. Mas, mesmo isso parece neste livro ser menos aprofundado que no volume anterior, e aquilo que nos prendeu primeiramente a esta leitura perde-se na rapidez e superficialidade dos acontecimentos, o que não nos permite viver as situações mais vivamente.

  Continuando a ser uma leitura fácil e de entretenimento, A Revelação mantém o espírito da sua história, com acontecimentos de muita adrenalina e perigo, e algum mistério mas, o maior de todos os mistérios desta história, a verdadeira identidade do Velho, acaba por ser muito fácil de descobrir, o que retira grande parte da sua piada e torna a leitura um pouco abrupta, já que se para o leitor esta revelação é bastante transparente, para as personagens demora imenso a descobrir, levando-as a colocarem-se em situações pouco inteligentes. Por causa disso, os acontecimentos finais parecem forçados até quase ao último momento onde a autora consegue surpreender-nos com um momento de grande tensão e um desenvolvimento que termina esta história da melhor maneira.

  Quanto às personagens, Callie continua a ser a melhor personagem, mas neste livro perde-se um pouco, tendo algumas atitudes com que o leitor pode não concordar. Já as personagens secundárias, continuam a parecer-me pouco desenvolvidas e sem grande presença, mas há uma personagem que acaba por trazer algo novo à história, não só pela forma como aparece, como por quem acaba por se revelar ser.


  A Revelação termina esta duologia de uma forma mais morna do que se esperaria, não deixando o leitor totalmente satisfeito, mas não deixa de ser uma leitura interessante e um bom fim para esta história.


A Minha Outra Opinião da Duologia

2 comentários:

  1. É a minha actual leitura e embora ainda esteja muito naquela fase de namoro, onde tudo parece perfeito e onde as páginas passam a correr, começo a notar algumas das questões menos boas, por assim dizer, que levantas na tua opinião. Além de que já suspeito de quem possa ser O Velho por causa de uma cena que acabou de acontecer, mas nunca se sabe! x)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão do Velho é tão óbvia =/ Como segundo e último livro acho que acabou por falhar um bocado mas espero que estejas a gostar da leitura =)

      Eliminar