sexta-feira, 11 de julho de 2014

Opinião - Throne of Glass

Título Original: Throne of Glass (#1 Throne of Glass)
Autor: Sarah J. Maas
Editora: Bloomsbury
Número de Páginas: 404


Sinopse
After serving out a year of hard labor in the salt mines of Endovier for her crimes, 18-year-old assassin Celaena Sardothien is dragged before the Crown Prince. Prince Dorian offers her her freedom on one condition: she must act as his champion in a competition to find a new royal assassin. Her opponents are men-thieves and assassins and warriors from across the empire, each sponsored by a member of the king's council. If she beats her opponents in a series of eliminations, she'll serve the kingdom for three years and then be granted her freedom. 


Celaena finds her training sessions with the captain of the guard, Westfall, challenging and exhilirating. But she's bored stiff by court life. Things get a little more interesting when the prince starts to show interest in her... but it's the gruff Captain Westfall who seems to understand her best. 

Then one of the other contestants turns up dead... quickly followed by another. 

Can Celaena figure out who the killer is before she becomes a victim? As the young assassin investigates, her search leads her to discover a greater destiny than she could possibly have imagined.



Biografia
  Sarah nasceu em Manhattan e graduou-se em Escrita Criativa com minor em Estudos Religiosos mas isso não quer dizer que não possa continuar a ver filmes da Disney e a gostar de má música pop. Bebe demasiado café, adora ballet e contos de fadas e é a autora de uma das séries de fantasia YA de maior sucesso nos EUA actualmente, a qual começou a escrever quando tinha dezasseis anos.

  Publicado em 2012, Throne of Glass está traduzido para treze línguas, sendo o primeiro volume de uma série de seis cujo terceiro sairá em Setembro deste ano.


Opinião
  Quando temos altas expectativas acerca de um livro, esperámos que elas se cumpram e que esse livro se revele, pelo menos, algo de extraordinário e, Throne of Glass é, de facto, extraordinário. Ou melhor, é muito mais do que isso. É o início de algo épico, um início que nos agarra a atenção, aguça a nossa curiosidade e promete uma saga cheia de intrigas, magia e lendas, que irá com certeza, deixar os fãs de fantasia épica mais juvenil completamente rendidos, é isso que este livro é. Sarah J. Maas, um verdadeiro diamante em bruto, diga-se de passagem, tem uma escrita versátil e inteligente, paciente e escrupulosa, que aliada à sua imaginação, cria aqui uma história que, passo a passo, irá crescer para se tornar numa intrínseca e complexa teia na qual, sem nos apercebermos, já estamos enredados.

  Uma história de tiranos e heróis, de lendas e destino, Throne of Glass é uma narrativa fluída e ilusoriamente directa, onde ainda não nos é dado o panorama completo deste mundo mas que, ao mesmo tempo, nos dá pistas subtis sobre o passado das personagens, sobre as culturas, mitos e jogo político que formaram a actual Erilea e que serão a base para os acontecimentos seguintes. Tal como uma matrioska, este livro esconde muitos segredos que a autora, inteligente e tortuosamente, apenas nos deixa adivinhar, deixando no ar a promessa de uma densa trama que se irá apresentar bocadinho a bocadinho. Apesar de um pouco frustrante, acaba por funcionar, já que o leitor se sente atiçado e cada vez mais curioso conforme as páginas vão sendo viradas.

  Com um ritmo alucinante, cheio de acção e romance, humor mordaz e mistério, este livro leva-nos das lutas de espadas a bailes, de conspirações a revelações surpreendentes, de estranhas mortes à magia banida mas não esquecida, enquanto nos faz apaixonar pelas personagens que compõe esta história. Penso aliás que este livro foi pensado para isso, para primeiro nos ligarmos às personagens, de forma a depois termos ainda mais vontade de conhecer a sua história, do que propriamente para nos deixar descobrir os segredos deste mundo. Misteriosas, deliciosas, complexas, estas personagens conquistam-nos em absoluto e, até os vilões, conseguem preencher-nos as medidas.

  Caelena é, sem dúvida, uma das melhores protagonistas de sempre. Arrogante mas doce, assassina e leitora, fria frente a um monstro e deliciada face a um vestido bonito, ela é tudo o que uma rapariga pode querer ser e, só por isso, não há como não adora-la. Apesar de por vezes ter momentos de adolescente tonta, mas que lhe vou perdoar. Já o príncipe Dorian, apesar de ele ser lindo e inteligente, não consegui simpatizar muito com ele já que me parece que ele vive no mundo da lua e é um bocadinho mimado, para além de ter roubado tempo de antena ao Chaol, personagem de quem gosto muito mais. Leal, racional, doce e misterioso, o capitão da Guarda conquistou-me desde o início, tal como Nehemia, a princesa rebelde que tem mais segredos do que possa parecer.


  Expectativas ultrapassadas, Throne of Glass conseguiu arrebatar-me e promete tornar-se numa das minhas sagas preferidas.

2 comentários:

  1. Há edição em português ou previsão para tal??(adorei a crítica, o livro parece ser fantástico!!):)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente ainda não há edição em português ou sequer previsão =( É mesmo!

      Eliminar