segunda-feira, 11 de agosto de 2014

From Pages to a Movie *Divergente*

Opinião do livro; Trailer do filme

  Adaptado do livro com o mesmo nome de Veronica Roth, Divergente era só um dos filmes mais esperados deste ano e sim, apesar de ser fã da trilogia, eu só vi o filme agora. Talvez por causa do enorme hype em redor dele, talvez porque estava com um pouco de medo do que sairia daqui, foi só agora com o lançamento do DVD que finalmente me sentei a ver uma das muitas adaptações esperadas deste ano.

  E afinal havia uma razão de ser de eu ainda não ter visto o filme. Não me levem a mal. Os efeitos especiais estão fantásticos, as cenas mais icónicas do livro estão lá e a banda sonora é das melhores deste ano. Como filme de acção é bom e, para isso, ajuda todas as cenas dos Intrépidos mas a sensação que o fim deixa é de que algo esquisito se passou de um momento para o outro. Em termos de adaptação de livro para filme, as coisas essenciais estão lá mas faltam personagens importantes e algumas delas perderam a sua importância como Tori ou Natalie Prior. Algumas cenas foram mal passadas das páginas para o ecrã, outras não tiveram o devido destaque. E depois temos o fim. Eu que li o livro, senti uma necessidade urgente de reler o fim porque está tão diferente e mal conseguido que practicamente estraga a coisa toda. Isto sem contar que tenho a sensação que quem não leu o livro, pelo filme, não compreende realmente este mundo.

  Tirando as cenas de acção, este filme foi toda a química de Tris e Four a trabalhar mas pessoal, por mais que adore estes dois, esta história não vive só deles e vamos ser sinceros, vocês também não lhes deram mais espaço de manobra para aproveitar a relação intensa que eles têm. Um beijo e tirar a tshirt não chega. A química estava lá mas parece que faltou qualquer coisa... Ao menos, não falta talento a Shailene Woodley que está a ter um grande ano e ainda bem! E por favor, alguém me explica onde andou o Theo James enfiado? Eu não dei por nada disto em Downton Abbey! Pelo talento dele, não por outra coisa...

  Salvou-se o elenco, o que também não é difícil, apesar de eu não compreender como têm Ashley Judd para representar toda a magnificiência de Natalie Prior e não a aproveitam nem um bocadinho. Uma grande actriz para um grande papel e depois nada? Isso não me parece inteligente de todo. Ao menos a Kate Winslet teve tempo de antena para fazer brilhar a malvadez da Jeanine. E foi só de mim, ou o Ansel Elgort não teve grande espaço para explorar o Caleb? Nem já agora o Ray Stevenson ou o Tony Goldwyn... Acho que houve uma tentativa dos Eruditos para apagar os Abnegados do filme. Mas, grande milagre, apesar de faltar pessoal nos Intrépidos, a coisa até correu bem. Gostei muito da Christina, do Will e do Al. Acho que a Tori devia ter tido mais tempo de antena e, miraculosamente, adoro o tipo que fez de Eric, já o Peter... Querido a personagem já mete nojo que chegue, não precisava que ajudasses ainda mais... 

  Não estando desapontada também não estou eufórica. Divergent não é, de todo, um mau filme ou adaptação mas acho que para tanto hype podia estar melhor e que podiam ter-se dedicado a fazer um bom fim, pois bem tinham material para isso.

Sem comentários:

Enviar um comentário