domingo, 14 de setembro de 2014

From Pages to a Movie *O Dador de Memórias*

Trailer do filme

Adaptado de The Giver: O Dador de Memórias de Lois Lowry.

  Apesar de não ter lido o livro, nem nunca ter tido muita curiosidade para o fazer, o trailer levou-me à sala de cinema e, se continuei sem muita vontade para ler os livros, também é
verdade que o filme não deixou de me proporcionar umas boas horas de entretenimento. O conceito da história é interessante, podendo-se mesmo dizer que nos marca um pouco por todas as possibilidades que nos mostra e, os efeitos do filme ajudam-nos a perceber os contrastes deste mundo, dando-nos os meios visuais, digámos assim, para compreender o filme. Ao contrário do que pode parecer no trailer, não há assim tantas cenas de acção e o filme chega a ser um pouco parado, mas isso ajuda a mostrar a diferença entre The Giver e outros filmes do género, bem como a percebermos o conceito e estrutura por trás dele.

  Contudo, se algumas coisas me agradaram, outras deixaram-me um pouco céptica. A acção
do filme é quase parada, como já disse, mas o fim parece que se passa a uma velocidade louca e, para mim que não li o livro, parece-me tudo rápido demais e não muito bem justificado, bem como outras coisas, deixando-me na dúvida quanto ao que foi deixado de fora do filme, que cenas foram mudadas, ou se o livro é mesmo assim. Mesmo assim, apreciei-o, não tanto como gostaria é verdade, mas é uma história que nos faz pensar e coloca uma série de questões importantes sobre a existência humana mas, não deixa de ser um filme mediano, daí a minha falta de vontade para ler os livros. Não há nada assim tão excepcional nele para me cativar.

  Quanto ao elenco, é excusado dizer que Jeff e Meryl brilharam não é? Afinal quando é que eles não o fazem? Mesmo assim, tenho de dizer o quanto gostei de os ver como antagonistas, porque foi tão bom. O protagonista Brenton Thwaites não é um actor que me faça elogiá-lo até cair para o lado mas conseguiu representar Jonas com a veracidade necessária, demonstrando muito bem as emoções que os vários acontecimentos vão causando nele. Já Cameron Monaghan, não é um actor que goste particularmente, mas também conseguiu representar bem a personagem, personagem essa que acho que não foi muito bem explicada e explorada no filme, já agora. Mas em relação à Odeya Rush... Hum, não fiquei fã. Nem da
personagem nem da actriz. E, por favor, serei a única que, ao ver este filme, estive sempre a espera que o Alexander deitasse os dentinhos de fora? Ele é bom actor, mas acho que o Eric ficou demasiado impresso na minha memória. E não, continuo a não gostar da Katie Holmes. Não dá, é daquelas actrizes que me passam ao lado.

  O resultado final é um filme que se vê, compreende-se mas não cativa por aí além...

6 comentários:

  1. Estou a ler o livro pela primeira vez para depois ver o filme mas já ouvi muitas opiniões que dizem que este não faz justiça à obra original... Vamos lá ver ;) Para já estou a achar o conceito do livro bastante interessante...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como não li o livro, em termos de comparação, não posso avaliar, mas o filme em si pareceu-me incompleto =s

      Eliminar
    2. Entretanto terminei de ler o livro e, apesar de também acha-lo incompleto, gostei mesmo muito :)

      Eliminar
    3. Fez-te diferença o protagonista ter 12 anos? É que depois de ver o filme, a escolha de aumentar a idade do protagonista, para mim fez muito sentido porque não imagino um miúdo de 12 anos a fazer tudo aquilo =s

      Eliminar
    4. No livro não foi difícil pensar no protagonista como tendo apenas 12 anos, dadas as regras da sociedade... Porém, segundo li, no filme alteraram várias coisas (por exemplo, há um maior desenvolvimento romântico, existe uma vilã...). Tenho que ver :P

      Eliminar
    5. Sim há xD e a Anciã Chefe da ideia de ser vilã sim...

      Eliminar