terça-feira, 25 de novembro de 2014

Opinião - Jackaby

Título Original: Jackaby (#1 Jackaby)
Autor: William Ritter
Editora: Algonquin Young Readers
Número de Páginas: 304


Sinopse
“Miss Rook, I am not an occultist,” Jackaby said. “I have a gift that allows me to see truth where others see the illusion--and there are many illusions. All the world’s a stage, as they say, and I seem to have the only seat in the house with a view behind the curtain.”

Newly arrived in New Fiddleham, New England, 1892, and in need of a job, Abigail Rook meets R. F. Jackaby, an investigator of the unexplained with a keen eye for the extraordinary--including the ability to see supernatural beings. Abigail has a gift for noticing ordinary but important details, which makes her perfect for the position of Jackaby’s assistant. On her first day, Abigail finds herself in the midst of a thrilling case: A serial killer is on the loose. The police are convinced it’s an ordinary villain, but Jackaby is certain it’s a nonhuman creature, whose existence the police--with the exception of a handsome young detective named Charlie Cane--deny.

Doctor Who meets Sherlock in William Ritter’s debut novel, which features a detective of the paranormal as seen through the eyes of his adventurous and intelligent assistant in a tale brimming with cheeky humor and a dose of the macabre.


Biografia
  É irrelevante o local onde William Ritter nasceu e a sua casa tanto se pode situar numas misteriosas catacumbas de Malta como numa sossegada cidade do Oregon. Os seus pais ensinaram-no a valorizar a inteligência, a criatividade e a individualidade e, quando liam em voz alta, faziam sempre as vozes.

  Quando na faculdade, William estudou as disciplinas que lhe prometeram as melhores histórias em vez das mais prácticas, graduando-se em Inglês e Educação com certificados em escrita criativa e folclore. Actualmente dá aulas de artes da linguagem numa escola secundária, o que inclui ler e escrever, mitologia e heróis.

  Jackaby é o seu primeiro livro e nasceu a meio da noite enquanto William tentava adormecer o filho. Foi publicado este ano.


Opinião
  Depois de uma série de desafortunadas leituras, estava a precisar de algo que, se não fosse genial, pelo menos me animasse. E Jackaby foi a resposta às minhas preces. Apesar de ser fã de Sherlock Holmes, retellings e fantasia/paranormal, confesso que não tinha expectativas para este livro e, se a oportunidade não tivesse surgido, possivelmente o pobrezinho teria ficado na eterna lista de livros que gostava de ler, apesar de me ter sido recomendado. Ainda bem que não foi esse o caso. William Ritter sabe o que está a fazer mas, principalmente, sabe o que realmente um livro significa: pura diversão. Aventura e mistério não faltam nesta história na qual o autor, com uma escrita acessível e caracterizada por um humor muito especial, nos dá a conhecer, não mais um Sherlock Holmes, mas sim, R.F. Jackaby, que, já agora, decidiu mandar o Dr. Watson dar uma curva, deixando ficar Miss Abigail Rook, ou Miss Pragmatismo como gosto de lhe chamar.

  Falta alguma complexidade a este mundo mas, sinceramente, quando ele nos é dado a conhecer através de olhos inocentes, ou descrentes como preferirem, como os de Abigail Rook com tal entusiasmo e facilidade, mais vale aproveitar a viagem. E foi exactamente o que fiz. Como primeiro volume de uma série, Jackaby faz um óptimo trabalho a introduzir-nos neste mundo enquanto, ao mesmo tempo, aguça a nossa curiosidade acerca das criaturas que o povoam, bem como das personagens. E, oh, como ele nos delicia! Página a página, seja através de uma piada mais negra ou de uma pista menos óbvia, este livro entretém-nos com tanta facilidade, talvez porque, esta é uma narrativa que mistura ciência e sobrenatural, racionalidade e mística de uma forma absolutamente convincente. 

  Mistério e segredos são os ingredientes desta trama mas, se juntarmos a isso, fantasmas, trolls e banshees, temos uma história muito pouco convencional, e à qual não falta diversão e surpresas. E é por isso que, se rapidamente descobrimos o assassino, a verdade é que não deixámos que isso nos faça tropeçar na leitura, antes a devorámos mais depressa só para saber como Jackaby lá chegará. Depois, claro, temos o conjunto de personagens mais bizarro alguma vez visto, do qual faz parte a pragmática Abigail Rook, moça para lá do seu tempo que decide que não esta para fazer o que os outros acham correcto mas sim, o que ela quer fazer. E Jackaby, o misterioso e estranho detective que, para irritação de alguns, acerta mais do que devia.

  Sem ser extraordinário, Jackaby é contudo um livro delicioso que promete continuar a surpreender-nos.

3 comentários:

  1. Olá!

    Tenho bastante curiosidade sobre este livro. Confesso que foi a capa que me atraiu para ele, mas depois de ler a sinopse fiquei bem curiosa!

    Agora, depois de ler a tua opinião, fiquei com a certeza que o quero =D

    Bjs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!

      Quando o leres, espero que gostes =D eu também li por causa da capa e não me arrependo nada!

      Beijinhos e boas leituras,

      Eliminar
    2. Gente o livro foi lançado no Brasil, mês passado pela Editora Única. Li ele esses dias, é ótimo. :)

      Eliminar