quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Opinião - The Body Electric

Título Original: The Body Electric
Autor: Beth Revis
Editora: Scripturient Books 
Número de Páginas: 468


Sinopse
The future world is at peace.

Ella Shepherd has dedicated her life to using her unique gift--the ability to enter people's dreams and memories using technology developed by her mother--to help others relive their happy memories.

But not all is at it seems.

Ella starts seeing impossible things--images of her dead father, warnings of who she cannot trust. Her government recruits her to spy on a rebel group, using her ability to experience--and influence--the memories of traitors. But the leader of the rebels claims they used to be in love--even though Ella's never met him before in her life. Which can only mean one thing...

Someone's altered her memory.

Ella's gift is enough to overthrow a corrupt government or crush a growing rebel group. She is the key to stopping a war she didn't even know was happening. But if someone else has been inside Ella's head, she cannot trust her own memories, thoughts, or feelings.

So who can she trust?


Biografia
  Clássicos não são com Beth Revis e Shakespeare apenas entra na sua lista de leituras pelas piadas obscenas. O Young-Adult foi desde sempre o seu género de eleição, o género que procurava nas livrarias, o género no qual as suas histórias se enquadram. Formada em História e Literatura inglesa com especialização em fantasia, foi sobre a sua obra preferida do seu autor favorito de sempre, No Reino de Glome de C.S. Lewis, que fez a sua tese de mestrado.

  As suas histórias surgiram antes da faculdade mas foi durante esse período que os seus apontamentos que não o eram se tornaram em livros a sério. Quando o seu primeiro livro, Across the Universe, foi publicado em 2011, Beth teve de tomar a decisão mais difícil da sua vida, deixar a carreira de professora que adorava ou esquecer o sonho de escritora e Beth escolheu o sonho.

  The Body Electric é o novo livro da autora e foi publicado em 2014.


Opinião
  Quando li a trilogia Across the Universe, fiquei completa e perdidamente, rendida ao talento de Beth Revis, uma autora com uma escrita arrasadora e viciante, capaz de criar histórias poderosas sobre a alma humana e as consequências e efeitos da ciência. Por isso, não é de espantar que The Body Electric tenha sido uma leitura ansiada e desejada. Uma leitura que superou, não só todas as minhas expectativas, como comprovou a magnitude desta autora, revelando-se o seu melhor trabalho, sem quaisquer margens para dúvida. Uma história revigorante sobre o que é realmente ser se humano, sobre os limites do poder e os caminhos sinuosos da ciência, este livro assusta-nos, surpreende-nos, choca-nos. Mas mais importante ainda, faz-nos pensar. No passado, no futuro. Em quem somos e em quem queremos ser.

  Num cenário que celebra a beleza e a glóra do passado, bem como a simplicidade e força do futuro, somos presenteados com uma narrativa de acção constante, explosiva em tantos momentos, mas também, emotiva e conscenciosa noutros. Por vezes doce, por vezes revoltante, poderosa e tocante em cada palavra, esta é a história de como a perfeição, social e tecnológica, tem, muitas vezes, um preço demasiado elevado. Expondo sem medos as contradições e erros do desejo de superar a natureza e, consequentemente, mostrando-nos as maravilhas que o ser humano é capaz de alcançar, esta leitura fará com que nos questionemos: Saberemos quando parar? Saberemos quando ultrapassámos o intransponível? Revelações chocantes, mudanças imprevisíveis e traições inesperadas, pontuam um enredo que testa os limites dos sonhos e da criação. Que demonstra, para nosso terror que, entre a loucura e o génio, a guerra e a paz, a liberdade e a opressão, existe uma linha tão ténue e frágil que, demasiadas vezes, é esquecida. 

  Há descobertas, invenções, recriações que todos os dias nos maravilham, que rapidamente estão a ser conseguidas e tão, tão facilmente ultrapassadas. Um dia poderemos influenciar, descortinar e até controlar a mente de outra pessoa. Um dia, não saberemos diferenciar um ser humano de um robot. Um dia, poderemos não saber onde a nossa vontade começa ou sequer se existe. Um dia podemos não sentir. Levantando estes e outros temas controversos, Beth Revis envolve-nos numa corrida contra o tempo, na qual a vida humana, os nossos valores e sentimentos, poderão deixar de existir. Uma viagem de descoberta, cheia de perigos, que irá levar o leitor ao seu limite, que deixará o nosso coração a mil, a nossa respiração suspensa e a nossa mente numa montanha-russa. 

  Marcantes, extraordinariamente bem concebidas, extremamente apaixonantes, assim são as personagens desta autora. Prova disso, é a protagonista Ella Shepherd, que toca os nossos corações com a maneira sincera e poderosa com que sente, com que vive, com que sonha. Uma heroína surpreendentemente humana, ela apresenta uma complexidade única que, contudo, não abafa a presença das restantes personagens à sua volta. Para o bem e para o mal, cada uma delas é extraordinária. Seja pelos seus ideias, pelos seus defeitos ou criações.

  Superando em muito as minhas expectativas, The Body Electric iniciou as minhas leituras de 2015 da melhor das maneiras. Uma obra espectacular de uma autora que merecia mais atenção da que lhe é dada, este livro é obrigatório a todos os que pousarem os olhos nele.

Sem comentários:

Enviar um comentário