terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Opinião - Percy Jackson e os Ladrões do Olimpo

Título Original: The Lightning Thief (#1 Percy Jackson)
Autor: Rick Riordan
Editora: Casa das Letras
Número de Páginas: 331


Sinopse
Percy Jackson está prestes a ser expulso do colégio interno...novamente. E esse é o menor dos seus problemas. Ultimamente, criaturas fantásticas e os deuses do Olimpo parecem estar a sair das páginas de mitologia para entrarem na sua vida. E o pior de tudo é que ele parece ter enfurecido alguns deles. O raio-mestre de Zeus foi roubado e Percy é o principal suspeito.
Agora, Percy e os seus amigos têm apenas dez dias para encontrar e devolver o símbolo do poder de Zeus e restabelecer a paz no Olimpo. Para o conseguir terá de fazer bem mas do que descobrir o ladrão: terá de enfrentar o pai que o abandonou, resolver o enigma do Oráculo e desvendar uma traição mais ameaçadora e poderosa do que os próprios deuses.

Biografia
Nascido numa família de artistas e professores, Rick Riordan queria ser guitarrista mas acabou por mudar de ideias e formar-se em Inglês e História, tornando-se professor, também. Na juventude metia-se em sarilhos, como criar um jornal a gozar com a escola, o que lhe valeu a equipa de futebol lançar-lhe ovos ao carro. O primeiro livro que leu foi O Senhor dos Anéis, que deve ter lido umas dez vezes. Gosta de mitologia, grega e nórdica, desde que estava na escola básica e tentou publicar o seu primeiro livro aos 13 anos. Não conseguiu. Mas em 1997 publicou o seu primeiro livro, o início da sua série de mistério Tres Navarre. O seu primeiro trabalho foi como director de música num campo de férias, o que o viria a inspirar mais tarde para a sua famosa série, Percy Jackson. Gosta de ler, nadar, tocar guitarra e viajar com a família e desistiu de ensinar mitologia para escrever sobre ela.

Percy Jackson e os Ladrões do Olimpo, foi publicado em 2005 mas começou por ser uma história que Rick começou a contar ao filho depois de este lhe ter pedido, após ter ouvido todos os mitos possíveis à hora de dormir, para inventar uma história nova sobre um semi-deus. Depois de três noites a ouvir a história de Percy, o filho do autor disse-lhe que ele devia publicá-la. Rick assim o fez. Traduzido para 31 línguas e vencedor de 13 prémios, foi adaptado para cinema em 2010.


Opinião
  Há muito, muito tempo vi o trailer de um filme que era tão horrendo, tão horrendo que quando descobri ser baseado num livro, jurei solenemente nunca ler tal obra. Ora, todos nós sabemos que as promessas são para ser quebradas. Ou era as regras? Bem, não interessa. O que interessa, é que apesar de todas as minhas boas intenções, devido a manipulações alheias, acabei por ler o tal livro. E descobri, para meu pasmo e deleite, que o livro de horrendo só tinha mesmo os monstros mitológicos. Percy Jackson e os Ladrões do Olimpo é, na realidade, uma readaptação inteligente e divertida da mitologia grega, que mantém a essência dos mitos e dos deuses enquanto os transporta para um cenário actual onde, espantosamente, eles parecem encaixar na perfeição. Misturando monstros, deuses e profecias, com campos de férias, aviões e casinos, Rick Riordan consegue, de uma forma refrescante e juvenil, que por vezes (muitas) pode tender para o taciturna e sarcástica, criar uma história memorável e viciante cujo herói, o por vezes impertinente Percy, ganha aos pontos aos seus irmãos e primos divinos.

  Com um ritmo alucinante e uma grande dose de adrenalina, este livro é absolutamente impossível de se largar. Repleta de acção, esta história é marcada pelas muitas aventuras e desventuras que o jovem protagonista e os amigos vivem, seja numa normalíssima cidade americana, seja no Submundo ou mesmo no Monte Olimpo. A diversão é garantida, seja pelas muitas picardias entre os deuses e os seus descendentes, seja pelo sarcasmo, impertinência e espertice que abundam nestas páginas. Apesar da simplicidade da narrativa, algumas surpresas ajudam a intensificar o ritmo da história, bem como a forma original e inteligente como a mitologia é embutida no Ocidente de hoje. E, também, como os mitos são recontados e transformados para se adaptarem à história, sendo reconhecíveis mas nunca aborrecidos. Mas não se deixem enganar. Por baixo de alguma subtileza temas sérios como as famílias monoparentais, a deliquência juvenil ou a dislexia são abordados de forma leve em situações pontuais, relembrando-nos que mesmo uma criança de 12 anos tem os seus problemas, mesmo, e principalmente, quando é filho de um deus.

  Percy é uma desgraça ambulante. Não sabe quando estar calado ou quieto, isto quando não está com um ar taciturno e impertinente. Ou seja, é adorável até a médula. Apesar do seu ar de miúdo problemático, Percy acaba por se revelar um rapaz com muitas inseguranças e também detentor de um grande coração. Uma coisa que adorei neste livro foi ele não ser mais um filho de Zeus. Aliás, a escolha do pai para mim foi perfeita, já que é um deus pouco explorado. O que me leva ao Panteão que apesar de caricatural nalgumas situações, não podia ser mais fiel às características e personalidades que associo a estes deuses, dos quais espero ver mais nos próximos livros. Resta-me falar-vos da miúda mais fantástica à face da Terra desde a Hermione: Annabeth. Ela é, exactamente, como imaginava que seria uma filha da mãe dela. Sabichona, bem-comportada mas não em demasia, orgulhosa e desenrascada. Fofa como tudo, apesar que o prémio de fofo vai para o Groover, o sátiro que mais adoro desde o Phil do Hércules da Disney. Ele é um desastrado e um perigo mas é tão fofo. Mesmo fofo.

  Percy Jackson e os Ladrões do Olimpo é assim, não só um excelente início de série como também uma surpresa que me deixou bastante empolgada e, com a maldita sensação, que eu já devia ter lido isto há mais tempo!

4 comentários:

  1. Percy Jackson foi uma agradável surpresa, também para mim! Pena só ter lido agora, em adulta. Penso que seria algo ao nível de HPotter (talvez menos marcante...).

    Cumps!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pensei exactamente o mesmo Ana Luísa! Não tão marcante como o Harry Potter mas que não deixa de ter o seu próprio mérito.

      Boas leituras!

      Eliminar
  2. Ai mulher, se gostaste assim tanto do primeiro livro, que dentro da série é provavelmente o mais fraquinho, vais ficar completamente alucinada com os restantes, e não sei se o teu coração aguenta a série seguinte dos Heroes of Olympus. Vai ser divertido ler as opiniões, hehe xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois gostei! E tenho de te agradecer a ti =D senão fosses tu provavelmente nunca tinha lido isto, e teria sido cá um desperdício. Opa não me digas isso xD andas como a p7, a verem-me a sofrer e a divertirem-se com isso -.-'

      Eliminar