segunda-feira, 13 de abril de 2015

From Pages to a Movie *Insurgente*

Opinião do livro ~ Trailer do filme

  Adaptação do livro com o mesmo nome de Veronica Roth, Insurgente era um dos filmes mais esperados do ano pelos amantes dos livros, eu incluída.

  Antes de mais, deixem-me dizer que eu sei que este livro não seria fácil de adaptar. Afinal, é introspectivo e complexo, lidando principalmente com a moral e o estado mental da protagonista e dos que a rodeiam. Contudo, não penso que isso seja desculpa para o péssimo trabalho realizado. Sim, era necessário cortar cenas e simplificar a coisa mas isso não significava modificarem a história. Não significava terem apresentado um filme onde não encontrei aquilo que me levou a gostar da Tris e da sua história. A verdade, é que me parece que alguém não compreendeu o que tornou Roth uma autora adorada.
 

  Houve tantos, tantos momentos em que faltou alguma coisa, em que o salto de uma cena para a outra era brusco, tantos momentos mal adaptados ou incompreendidos, tantas personagens mal aproveitadas. Sim, tem acção e sim, tem bons efeitos especiais ainda que exagerados. Sim, alguns cortes ajudaram a que o filme fosse mais fluído e fácil de compreender. Só que, tudo o resto foi tão mal conseguido. Os produtores não compreenderam a mensagem de Insurgente, o livro. Não compreenderam a luta interior da Tris e, pior ainda, deram-lhe tão pouca importância. Para mim, houve imensos sentimentos ao longo da leitura e no filme quase que nem me importava com o que se estava a passar porque tudo realmente importava, pura e simplesmente não estava lá, ou se estava foi tão sem sal que até doeu. Basicamente, Insurgente tornou-se um filme de efeitos especiais e quase que não passava disso.

  Como se não bastasse, estragaram o final, outra vez. Não sei como pensam fazer dois filmes depois disto e muito menos como pensam que irão convencer alguém que será uma adaptação do Convergente porque, sinceramente, cheira-me que não irei reconhecer muita coisa nos próximos filmes. E isso não é bom. Nada mesmo. Compreendam, quem não leu o livro irá às salas de cinema e irá divertir-se mas, quem leu o livro, ficará frustrado e em estado de choque, como eu fiquei.

  Desta vez nem a Shailene salvou a coisa, nem que ela tentasse conseguia porque pura e simplesmente retiraram toda a emoção, revolta e fragilidade da Tris e tornaram-na uma coisinha patética. Só de me lembrar apetece-me bater em alguém. Nem a Kate Winslet brilha, por deus, como é isso possível?? E, a sério que a Naomi Watts é a mãe do Four, neste caso o Theo James? Onde é que acharam que isso era convicente?! E será que não percebem que todos os Intrépidos que entraram com a Tris são importantes? Não, porque nem  a essência das facções me pareça que percebam, sinceramente. 

Estou desiludida, frustrada e irritada. Acho que resume bem a coisa para este filme. Permitam-me que vá ali sofrer e remoer para um canto, que bem preciso.

2 comentários:

  1. Não me parece um comentário cinematográfico muito auspicioso. Ainda não fui ver o filme embora a vontade seja gigantesca, mas não és a primeira pessoa que leio dizer que a adaptação é quase inexistente. Pelo trailer viu-se que a coisa ia ser um bocadinho diferente mas pelo que tenho lido por aí, e aqui, parece que levaram tudo ao extremo do negativo. Não gosto. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prepara-te porque, infelizmente, cada vez vejo a coisa mais negra para esta adaptação... Sinceramente não sei como vão adaptar o Convergente mas não agoiro nada bom. Será que não aprenderam nada com Os Jogos da Fome?

      Eliminar