domingo, 26 de julho de 2015

Opinião - Cress

Título Original: Cress (#3 Crónicas Lunares)
Autor: Marissa Meyer
Editora: Planeta Manuscrito
Número de Páginas: 504


Sinopse
Este não é o conto de fadas de que se lembra. Mas é o que não se vai esquecer.

Neste terceiro livro de Marissa Meyer, Cinder e o capitão Thorne estão escondidos com Scarlet e Wolf. Juntos, conspiram para derrubar a rainha Levana e impedir o seu exército de invadir a Terra.

A sua melhor esperança é Cress, uma jovem presa num satélite desde a infância e que apenas tem os netscreens como companhia. Todo este tempo passado a olhar para os ecrãs fez dela uma excelente hacker. Mas infelizmente, é obrigada a trabalhar para a rainha Levana, e recebeu ordens para localizar Cinder e o seu bonito cúmplice. Quando o ousado resgate de Cress corre mal, o grupo desmembra-se. Cress obtém por fim a liberdade, mas com um preço mais elevado do que jamais pensou. Entretanto, a rainha Levana não vai deixar nada impedir o seu casamento com o imperador Kai. Cress, Scarlet, e Cinder podem não ter sido designadas para salvar o mundo, mas são a única esperança do mundo.


Biografia
 Marissa Meyer é fã de coisas bizarras, tem estranhas manias e é escritora de distopias baseadas em contos de fadas clássicos que adora desde pequena e que pensa adorar talvez para sempre. Prova disso é que a sua próxima aventura na escrita será um retelling de Alice no País das Maravilhas, com nada mais, nada menos, do que a Rainha de Copas como protagonista.

Dona de dois gatos com nomes muito longos e fora do comum, é fã de Navegantes da Lua e já escreveu mais de quarenta fanfictions sobre elas, organiza a biblioteca por cores e talvez não seja uma cyborg. Talvez. Vive com o marido em Tacoma, Washington, e tem uma predilecção por viagens, provas de vinho e caças por antiguidades.


  Cress é o terceiro e penúltimo volume da sua série Crónicas Lunares e foi publicado em 2014, estando traduzido para dez línguas. Winter, o tão ansiado final, será publicado em Novembro deste ano.


Opinião
  Marissa Meyer fez-nos uma promessa nas páginas de Cinder, a promessa de que nos iria fazer adorar esta saga com o mesmo arrebatamento e fascínio com que o nosso eu pequenino outrora amara os contos de fadas. E cumpriu-o. Em cada livro aumentou a fasquia. Em cada história tornou-nos mais exigentes para depois ultrapassar todos os limites da nossa imaginação. Com cada heroína, demonstrou-nos que não são os vestidos e a beleza que importam mas sim os corações nem sempre fáceis. Surpreendeu-nos, fez-nos adorá-la mas, mais do que isso, fez-nos recordar não só o charme e encantamento das histórias da nossa infância como as lições que delas apreendemos. Um misto de ingenuidade e coragem, de ousadia e aprendizagem, de doçura e desapontamento, as Crónicas Lunares tornaram-se numa complexa trama, onde a tecnologia e os contos de fadas se entranham de forma perfeita. Cress é a prova disso, conseguindo de uma forma brilhante ultrapassar os seus antecessores em todos os aspectos, revelando-se o mais imprevisível e apaixonante livro de toda a saga.

  Este é o momento em que sustemos a respiração enquanto dentro do nosso peito o coração bate desenfreado. Aquele momento de expectativa e angústia antes de sabermos se os sonhos se tornarão realidade ou se as trevas persistirão. Numa trama explosiva e desenfreada, somos postos à prova constantemente. Somos conquistados e arrebatados bem como quase perdemos o controlo das nossas emoções. Muitas são as provações que os nossos heróis enfrentam mas nem assim as suas convicções são abaladas. Feita de encontros e desencontros, de perdas amargas bem como de vitórias agridoces, esta narrativa está pontuada de grandes momentos, quer horrorosamente dolorosos, quer inesperadamente divertidos. Do deserto inóspito ao espaço sem fim, de uma vila abandonada mas cheia de esperança à um palácio grandioso mas derrotado, somos arrastados ao longo de uma corrida contra o tempo cheia de percalços e surpresas cuja meta vai irremediavelmente alterar o futuro para sempre. 

  Quando tudo parecia cristalino como água heis que novas revelações são feitas, revelações essas que apenas tornam a história ainda mais intrínseca e obscura do que seria de prever, demonstrado quão genialmente Meyer a teceu. Aliás, o seu génio e crescimento como autora, comprova-se não só por isso, como também pelo aparecimento de novas personagens cheias de mistérios e lacunas, personagens essas que terão um papel fulcral no próximo volume e que, atrevo-me a dizer, trarão ainda mais complexidade a esta saga, prometendo assim um volume final carregado de suspense. A verdade é que todas as personagens e acontecimentos estão, de uma forma ou outra, interligados. E não falo do presente, mas sim de um passado ainda envolto em pesadas camadas de segredos e que, aos poucos e poucos, se começa a revelar cada vez mais surpreendente, fazendo-nos ansiar pelo momento em que finalmente poderemos apreciar toda a sua extensão.

  Tal como nos livros anteriores, também em Cress podemos encontrar os elementos do conto que o inspirou subtil e deliciosamente inseridos ao longo de toda a narrativa. Todos os grandes momentos de Rapunzel estão, não só presentes, como foram embutidos na história de uma forma inteligente e significativa, quer para o par de protagonistas, quer para todo o enredo. Aliás, acho que Marissa está se a tornar cada vez melhor a fazê-lo e, só de imaginar como o fará em Winter, até já começo a sentir os arrepios a subir por mim acima.

  Cress, a nova aquisição deste cada vez mais distinto e unido grupo de foras-da-lei, é possivelmente a personagem mais adorável à face da Terra e Luna, e de toda a galáxia. Hacker, solitária, sonhadora e honrada, esta moça traz um bocadinho de doçura ao trio de heróinas, encaixando na perfeição com as personalidades de Cinder e Scarlet bem como com o irreverente e convencido bandido que lhe calhou na rifa. Aliás, esta se a tornar difícil escolher um casal preferido nesta saga, sou sincera. Noto é cada vez mais como este grupo se está a tornar coeso e, também, o quanto cada um deles tem crescido conforme a sua vida tem sido mais dificultada e isso agrada-me pois consigo antever quem eles poderão tornar-se e o quanto eles serão capazes de fazer pela Humanidade.

  Com uma das mais promissoras e brilhantes sagas distópicas juvenis a chegar ao seu derradeiro e promissor final, sinto-me naquele momento em que dava tudo para ter o último volume nas mãos mas também para que ele nunca chegue. Estar a um passo do fim de uma das minhas sagas preferidas é o êxtase e o desespero e Cress conseguiu apenas intensificar estes sentimentos porque este penúltimo volume não é a mesma promessa que Marissa Meyer nos fez em Cinder. Desta vez ela prometeu-nos a Lua e é bom que a cumpra.


As minhas Opiniões da Série

2 comentários:

  1. Esta é talvez das sagas distópicas que mais quero ler, pois curiosidade para ler um retelling não me falta. Gostei muito desta opinião, escusado será dizer que atiçou ainda mais a minha vontade de correr para a livraria mais próxima, agarrar em "Cinder", "Scarlet" e "Cress" e levá-los finalmente para a minha estante.
    Beijinhos e Boas Leituras!

    *Mistery

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não leste Mistery?=O Oh tens de ler, isto é tão mas tão bom! A Marissa tem uma imaginação dos diabos! E para além dos contos de fadas, a autora também se baseou nas Navegantes da Lua =D

      Se te fizer ler o primeiro já me dou por feliz mas espero sinceramente que se o fizeres que o adores eheheh

      Beijinhos e boas leituras!

      Eliminar