quarta-feira, 22 de julho de 2015

Opinião - Uma Nova Esperança

Título Original: Losing Hope (#2 Hopeless)
Autor: Colleen Hoover
Editora: Topseller
Número de Páginas: 304


Sinopse
Holder é um adolescente em busca da sua melhor amiga, Hope, a quem voltou costas um dia, há treze anos. O mesmo dia em que ela foi raptada e levada para sempre. Quando uma tragédia envolve a irmã gémea de Holder, Less, a necessidade de encontrar Hope torna-se mais forte do que nunca. Holder sente-se diariamente perseguido por fortes sentimentos de culpa, e os remorsos que sente por não ter conseguido ajudar nem a sua irmã, nem Hope, são devastadores. Quando um dia, inesperadamente, se cruza com uma rapariga que se parece com Hope, Holder vai fazer tudo para se aproximar dela a fim de reencontrar a paz de que tanto necessita. Mas porque insiste Hope em dizer que se chama Sky e que não o conhece? E, por outro lado, porque sente Holder que esta rapariga, que o rejeita e se tenta afastar, precisa tanto dele quanto ele precisa dela? Uma Nova Esperança (Hope) narra pela voz de Holder um reencontro que trará memórias há muito esquecidas e que revelará verdades que poderão doer demasiado. Para alcançarem a paz e a felicidade, Holder e Hope terão de encarar a mais dolorosa e íntima das memórias. Conseguirão ambos traçar um caminho juntos após desenterrarem um passado tão difícil? E será o amor de Hope a chave para uma nova esperança na vida de Holder?


Biografia
  Colleen cresceu numa quinta no Texas, casou-se aos 20 anos e tirou uma licenciatura em Serviço Social. Trabalhou nos Serviços de Protecção a Crianças, antes de voltar aos estudos para concluir a sua formação em Educação Especial e Nutrição Infantil. Começou a escrever em 2012 e já publicou sete livros.

Uma Nova Esperança foi publicado em 2013, esteve nomeado na categoria de melhor romance do Goodreads Choice Awards e está traduzido para onze línguas.


Opinião
  Um Caso Perdido é uma história que, na sua simplicidade e crueza, assombra-nos e desfaz-nos. É uma história que nos fala sobre pecados inconcebíveis e, ao mesmo tempo, dos sonhos inocentes. É sobre desistir e sobre nunca perder a esperança. É sobre o amor, quer o tipo errado, quer o tipo certo. E, obviamente, Uma Nova Esperança também o é mas, em vez da tempestade assoladora que foi o livro anterior, este livro acaba por ser um reflexo algo desfocado dessa tempestade, razão pela qual não percebo a necessidade de escrever a mesma história sobre outra perspectiva. Não que Colleen não mantenha a intensidade e crueza com que conta histórias, não que Sky e Holder não continuem a viciar-nos e a derreter-nos, não que não nos arrepiemos com os piores momentos. Não é nada disso. Isso está lá tudinho, mas parece um eco distante derivado de eu já saber a história. Porque a verdade é essa, eu já sei como começa, decorre e acaba e, sinceramente, acho que a Colleen não soube dar a volta a esse pequeno factor e acabou por se atrapalhar ali nalguns momentos.

  Esta leitura acabou assim por ser um pau de dois bicos. De um lado, temos a mesma história e um narrador mais fraco, porque sim, o Holder não faz jus à Sky. Aliás, já nem gosto tanto dele como gostava porque este livro acabou por mostrar uma faceta sua que não acho nada atraente: o facto de ser tão mas tão dependente/cego em relação à Sky. A verdade é que conseguimos perceber melhor algumas das suas atitudes mais estranhas mas também acabei por achar que ele se consume demais, que se culpa facilmente de situações que não pude controlar e se auto-deprecia muito facilmente. Isso é realista, não estou a dizer que não, mas ao pé da força consumidora da Sky e do que a Less aguentou toda a vida, ou mesmo as respectivas mães, isso acabou por fazer dele uma personagem algo frágil, porque a sensação que dá é que de todos eles, o Holder, que sofreu com as consequências e não os actos em si, acabou por se deixar levar muito mais facilmente pelas coisas más. Mais uma vez, isso é humano, óbvio que sim, afinal nem todos somos fortes, mas custa-me ter visto a Sky aguentar-se tanto em Um Caso Perdido para depois ver o Holder a quebrar insistentemente ao longo deste livro. Para além disso, bem ele tem ali umas atitudes parvas que acabam por levar a coisas bastante complicadas que não teriam acontecido se ele tivesse tido coragem suficiente para contar e/ou perguntar. Ou seja, este livro apresenta-nos um lado mais frágil dele e, ao mesmo tempo, retirou-me um pouco do fascínio que tinha por esta personagem.

  Por outro lado, temos duas personagens, uma presente e outra não, que acabaram por criar os momentos que marcam realmente este livro. A Less, mesmo não estando presente nas suas vidas, mas apenas através de memórias e palavras, consegue monitorizar a atenção e tenho muita mas muita pena de não a ter conhecido. É através dela que descobrimos as surpresas ainda reservadas para nós nesta história e ela que acaba por nos provocar as maiores emoções. É preciso ter muita coragem para viver a vida que ela viveu, para ter os segredos que ela teve e o fim que ela determinou. Essa coragem é inspiradora e dá-me vontade de construir uma estátua em sua honra. Afinal, a Less lutou com todas as forças que teve e aguentou mais do que se poderia pensar ser possível. Mais, em vez de rancor contra os outros, decidiu salvar a vida daquela que podia ter culpado por todos os seus males. A outra personagem é o Daniel, o melhor amigo do Holder. Ele é simplesmente diferente de tudo o que podemos imaginar e é curioso como consegue ser tão inocente, leal e sonhador. O Daniel acaba por proporcionar os momentos mais divertidos do livro e, acreditem, ler o Finding Cinderella só me fez adorá-lo ainda mais.

  Quanto à narrativa e à tal atrapalhação da Colleen... Penso que a autora fez ali umas más escolhas. Havia momentos que não precisavam de ser transcritos tintim por tintim, outros deviam ter aparecido neste e a mudança de momentos de Um Caso Perdido para os de Uma Nova Esperança podiam ter sido feitos de uma forma mais coerente. Mesmo assim, é óbvio que gostei de ler este livro e reviver a sua história, porque a Colleen é uma autora fantástica que só precisava de umas pequenas ajudas para ser quase perfeita. E foi bom rever a Sky, a Six e o Brecken, porque são personagens muito distintas e carismáticas.

  Uma Nova Esperança tem as suas falhas é certo mas também é verdade que logo à partida já estava a perder em relação ao livro anterior. Mesmo assim, não me sinto arrependida por o ter lido pois pude conhecer melhor as personagens desta história e ainda estavam reservadas algumas surpresas pelas quais suspirei em Um Caso Perdido. Por isso, penso que não seja uma leitura dispensável a quem gostou desta história, pelo contrário.


A minha Opinião do outro Livro da Série

Sem comentários:

Enviar um comentário