quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

As Poucas mas não Menos Importantes Alegrias de 2015

  Sim, 2015 não vai ser um ano que recordarei de forma feliz, isso é uma certeza. Mas, isso não significa que dos poucos livros alguns não tenham sido absolutamente espectaculares, Porque foram, ou não que não foram!

  Infelizmente dois deles ainda não têm opinião porque calhou lê-los na fase parada do blogue mas espero um dia ter finalmente as palavras necessárias para vos dar as opiniões que eles bem merecem.

  E aqui estão eles, os treze magníficos que me deixaram nas nuvens...

Uma surpresa no que toca aos romances contemporâneos, este livro foi uma autêntica montanha-russa de emoções. 

Uma obra-prima da fantasia, este livro foi devastador até à médula. E é um bom exemplo de que não se deve dividir livros, pelo amor da santa!!!

Eu já gostava da Beth Revis mas este livro colocou-a num patamar muito, muito acima. 

Este livro minha gente é a coisa mais adorável à face da Terra. E tornou a Rainbow numa autora obrigatória na minha estante.

O dia em que a Quinn não fizer parte dos melhores do ano será o dia em que não li um livro dela nesse ano. É a única justificação plausível. 

Eu gosto muito do Robin dos Bosques mas desde que li este livro gosto muito mais da Scarlet! Um retelling brilhante que me surpreendeu bastante.

Esta sequela foi como cair num precipício de livre vontade. A Sarah J. Maas é, sem dúvida alguma, umas das vozes mais brilhantes da sua geração. E é uma tipa que não tem qualquer pena de nós, acreditem. E o pior é que não nos importámos nada com isso.

Dona de uma escrita incomparável, Laini Taylor é um diamante em bruto, uma contadora de histórias soberba, uma destruidora de corações. Adoro-a, para lá do infinito!

Outra moça que me faz babar literalmente sempre que leio um livro dela. Ninguém reconta contos de fadas como ela, ninguém!

Reler este livro ao fim de tantos anos foi exactamente como lê-lo pela primeira vez. Se gostam dos Bridgerton mas gostavam que eles fossem ainda mais ariscos, bem, leiam este livro porque vos vai encher completamente as medidas.

Bom. Absolutamente fantástico!! Leiam a sério!! 

 Outra senhora que nunca pode deixar de fazer parte dos meus tops é a Juliet Marillier. Deuses, esta senhora é um bardo renascido. Tudo o que ela escreve é bom, tudo!

Eu achava que já estava apanhada pela Marie Rutkoski mas descobri que não. Descobri que afinal ainda posso gostar mais dela. O que também significa que sou masoquista e que não me importo nada.

2 comentários:

  1. Epá, tens aí muitos livros para eu colocar na minha list to-read! Julia Quinn e Juliet Marillier já são autoras de renome que figuram sempre nos meus favoritos! A primeira figurou dos meus favoritos do ano passado. A Juliet Marillier não porque ainda não consegui pôr mão nos livros dessa trilogia :'(
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É colocar, tipo já =p

      A Julia só nos faz feliz! Quanto à Juliet, está mal! Mas penso que ela te perdoe se figurar nos deste ano eheheh

      Beijinhos

      Eliminar